Boa noite, quinta-feira, 19 de outubro de 2017  


   Dicas teis

 
Hidrulica
 

Conexões (Junta Soldável)

Ao iniciar o processo de execução de uma junta soldável, observe se as áreas a serem soldadas estão perfeitamente limpas; em seguida, com uma lixa de pano número 100 ou 120, tire o brilho das bolsas e da extremidade do tubo. Com uma estopa, aplique solução limpadora sobre as superfícies lixadas, eliminando as impurezas e gorduras. Distribua de forma uniforme o adesivo nas superfícies do tubo e da bolsa. Encaixe o tubo na conexão até o fundo da bolsa, retirando em seguida o excesso de adesivo. Obs.: aguarde o tempo de cura (solda) conforme recomendações contidas na embalagem do adesivo. Fonte: www.viqua.com.br

Conexões (Esgoto / Junta Elástica)

Primeiro limpe a extremidade do tubo e a bolsa da conexão. Quando for necessário, corte o tubo a 90° em relação ao seu eixo. Depois, remova as rebarbas e faça chanfro na ponta do tubo. Marque a profundidade na ponta do tubo. Acomode o anel de borracha se a curva for de ponta mista. Aplique pasta lubrificante apenas na parte aparente do anel de borracha e na extremidade do tubo chanfrado. Introduza a ponta do tubo até o final da bolsa, recuando-o aproximadamente 5 mm. Isso se faz necessário em função da dilatação que o tubo pode sofrer. Fonte: www.viqua.com.br

Instalação Sanitária

Além das prumadas coletoras principais, existem os ralos secos e os ralos sifonados que impedem o vazamento da água e do refluxo de mau cheiro. O ralo central nos banheiros serve a todos os equipamentos, exceto ao vaso sanitário, que possui sifão em sua própria estrutura. Todos os ralos possuem grelhas de proteção para evitar entupimentos decorrentes da queda de sujeira. Evite deixá-los sem essas grelhas e limpe-os constantemente. É importante proceder à limpeza periódica de todos os ralos e sifões de pias e lavatórios. Ao lavar louça e panelas, evite jogar sobras de óleo, gordura ou restos de alimentos na pia. Use a grelha de proteção que acompanha as cubas de aço inoxidável das pias das cozinhas. Não utilize materiais à base de soda cáustica, arames ou ferramentas não apropriadas. Fonte: www.soter.com.br

Louças

Não utilize qualquer aparelho sanitário como ponto de apoio, pois a louça pode trincar e ocasionar ferimentos graves. Não jogue objetos, absorventes higiênicos, fraldas descartáveis, cotonetes, preservativos e grampos nos vasos sanitários, pois são causas freqüentes de entupimentos. Para a limpeza das louças sanitárias, utilize água, sabão e desinfetantes e nunca esponjas de aço. Fonte: www.soter.com.br

Metais

Não apertar as torneiras e registros além do necessário para evitar danos nas vedações internas. Evite batidas nos tubos flexíveis (rabicho) que alimentam os lavatórios e caixas de vasos sanitários, pois são peças sensíveis e as batidas podem ocasionar vazamentos. Proceda periodicamente à limpeza dos aeradores (bicos removíveis) das torneiras, uma vez que é comum o acúmulo de sujeira proveniente da própria tubulação. Os cromados dos metais sanitários devem ser limpos com água e sabão neutro e, eventualmente, com produto específico para dar brilho e lustro. Nunca utilize nenhum tipo de esponja de aço ou ferramenta para a limpeza. Os acabamentos dos registros podem ser trocados pelo mesmo ou por outro modelo, desde que seja do mesmo fabricante sem que haja necessidade de troca da base. Evite apoiar pesos nas torneiras e registros. Fonte: www.soter.com.br

Hidráulica – Reformando o seu banheiro e/ou cozinha?

Quando você reformar seu banheiro e/ou cozinha, não deixe de substituir toda a parte hidráulica (canos/registros).A parte hidráulica é a maior causadora de reformas nesses ambientes. Canos velhos e registros gastos acabam por se romper e vazar. Muitas vezes, os profissionais contratados omitem a importância da troca desses componentes por acharem a substituição trabalhosa, o que acaba resultando, na grande maioria das vezes, em um posterior vazamento, em curto prazo de tempo, após a última reforma. Por essa razão, independentemente da opinião desses profissionais, vale a pena investir na substituição dos canos e registros antigos.
Após a substituição dos canos e registros, é necessário aguardar de 1 a 2 dias antes de se rebocar a parede. Esse prazo se faz necessário para que se possa garantir que a nova instalação não possui nenhum tipo de vazamento, que venha causar problemas no futuro. É bom lembrar que, nesses casos de substituição de canos e registros, os pontos de entrada e de saída de água podem ser modificados (com exceção de alguns prédios), tornando possível colocar novas entradas de água, o que permite utilizá-las para instalar novos produtos (torneiras, misturadores, aquecedores). Atenção na hora de comprar os registros, pois existem dois modelos:

- Registro de pressão, utilizado para abrir e fechar banheiras, chuveiros, duchas e duchas higiênicas.

- Registro de gaveta, usado para abrir e fechar a entrada geral da água.

As informações contidas nesta dica servem para orientar e auxiliar o consumidor, mas não o desobriga da consultoria e contratação de um profissional da área. Fonte: www.dicor.com.br

Teste de verificação de vazamento na instalação alimentada pela caixa:

1º - Feche todas as torneiras da casa e não utilize os sanitários;
2º - Feche completamente a torneira de bóia da caixa, impedindo a entrada de água;
3º - Marque na caixa o nível da água e, após 1 hora no mínimo, verifique se ele baixou;
4º - Em caso afirmativo, há vazamentos na canalização ou nos sanitários alimentados pela caixa-d’água. Fonte: www.uniagua.org.br

Teste de vazamento em torneiras:

Para ter uma idéia, no final do mês, sabe quanto você joga fora com aquele pinga-pinga que você nem percebe?

Gotejamento Lento – 400 L/mês

Gotejamento Rápido – 1.000 L/mês

Gotejamento Contínuo – 6.500 L/mês

Fonte: www.uniagua.org.br

Teste para verificação de vazamento no ramal direto da rede:

1º - Feche o registro do cavalete;
2º - Abra uma torneira alimentada;
3º - Espere até a água parar de correr;
4º - Coloque um copo cheio de água na boca da torneira;
5º - Se houver sucção da água do copo pela torneira, é sinal de que existe vazamento no cano alimentado diretamente pela rede.

Fonte: www.uniagua.org.br

PISCINA – FILTRAÇÃO

A filtração precisa ser feita todos os dias do ano, mesmo no inverno. Para isso, toda piscina deve possuir um sistema de recirculação que retira a água da parte mais funda do tanque – em alguns casos também pelo Skimmer, ou coadeira, quando existir –, passando pelo pré-filtro, bomba, filtro e então retorna à piscina pelo lado mais raso. Todos os equipamentos são ligados por tubulações, conexões e válvulas hidráulicas. Após um período de funcionamento, acumula-se sujeira no filtro, fazendo com que a vazão da bomba diminua ou a sujeira comece a retornar para a piscina. Para resolver esse problema, todo filtro possui uma válvula que permite retrolavar a areia. A retrolavagem é um processo que retira a sujeira do filtro e a joga fora. As instalações elétricas e hidráulicas da piscina devem atender às especificações das normas da ABNT e/ou regulamentação local. Fonte: www.piscinaesossego.com.br

COMO ASPIRAR SUA PISCINA

Ressaltando a importância da filtração, ela retira da água toda a sujeira que está suspensa, mas o que se depositou no fundo deve ser retirado com o aspirador que complementa todo o trabalho de filtragem. A aspiração da piscina deve ser feita de acordo com a necessidade, mas nunca menos que uma vez por semana. Os aspiradores mais comuns são os manuais, ligados ao sistema de filtração com mangueiras flexíveis, conectados ao bocal. Efetuando manobras em registros do sistema de filtração, é possível fazer toda a água passar pelo aspirador, levando com ela a sujeira que ficar retida no filtro, e retornar para a piscina. Chamamos isso de aspirar filtrando. Existem no mercado vários modelos de aspiradores para fazer esse trabalho. Fonte: www.piscinaesossego.com.br


Sistema Hidráulico / Água Fria

A caixa-d´água é atóxica?

Sim, totalmente atóxica e, é ideal para o armazenamento de água potável, pois foi testada segundo padrões do Ministério da Saúde. A caixa deve ser furada nos rebaixos planos em sua lateral, preferencialmente com uma serra copo ou broca. As tubulações de entrada e saída de água deverão estar localizadas nos rebaixos planos da caixa-d´água. A caixa-d´água deverá ter toda a área de sua base assentada em uma superfície horizontal plana e lisa, tipo laje, isenta de qualquer irregularidade. Veja as instruções no manual de instalação que segue com a caixa. A caixa-d´água suporta até 20°C, temperatura ambiente, pois possui aditivos contra raios UV. Fonte: www.tigre.com.br


Sistema Hidráulico / Água Quente

O que é o CPVC?

O PVC-clorado, também denominado CPVC, é um termoplástico que se assemelha bastante ao tradicional PVC rígido, mas com a vantagem de suportar pressão existente nos sistemas de água quente até temperaturas de 80ºC. Normalmente nas tubulações Aquatherm® não existe necessidade de isolamento térmico porque o CPVC, se comparado a outros materiais tradicionais, possui baixa condutividade térmica, ocorrendo, assim, baixa perda calórica e alta conservação de temperatura. O sistema de juntas, utilizando soldagem química a frio, é totalmente confiável e já consagrado pelos profissionais brasileiros. Fonte: www.tigre.com.br

Disponibilidade mundial de água

Fonte: Word Resources Institute, ONU

Água Doce no Mundo (rios, lagos e pântanos) 0,007%

Fonte: World Resources Institute, ONU

Sistemas de Descarga

Os sistemas de descarga são compostos basicamente pela bacia sanitária e pelo aparelho hidráulico de descarga, que é utilizado para liberação da água para a limpeza dos dejetos na bacia, podendo ser uma válvula de descarga, caixa acoplada ou caixa suspensa. Não devemos nos esquecer de que o ramal de esgoto e a sua ventilação também fazem parte do sistema, em que todos os seus componentes devem funcionar harmoniosamente para o seu perfeito desempenho. Fonte: www.deca.com.br

Meu chuveiro não está esquentando. Que devo fazer?

Verifique a resistência: É provável que a simples troca dela resolva seu problema. É possível também ser decorrente de fios mal dimensionados. Nesse caso, consulte seu eletricista. Fonte: www.lorenzetti.com.br

Que devo saber para trocar a resistência do meu chuveiro sem riscos?

Trocar a resistência de seu chuveiro é muito simples: Desligue a chave de energia (se não sabe qual é, desligue a geral); abra o seu chuveiro e, com a ajuda de um alicate, retire sua resistência velha. Encaixe a resistência nova, certificando-se de que não há folga nos conectores, feche o aparelho e abra o registro da água com ele desligado. Pronto! É só ligar a chave geral. Antes de efetuar a troca da resistência, aconselhamos a leitura do folheto de instruções que acompanha o produto. Fonte: www.lorenzetti.com.br


Em Capivari:
Praa 13 de Maio, 590 - Centro
Capivari - SP - CEP 13.360-000
TELEFONE (19) 3491-1549
Em Capivari:
Av. Pio XII , 1.013 -
Capivari - SP - CEP 13.360-000
Fone (19) 3492-1665
Desenvolvido por:
ScuziNet
E-mail: dalfabbro@dalfabbro.com.br
Copyright 2005 - Dal Fabbro