Bom dia, segunda-feira, 11 de dezembro de 2017  


   Dicas teis

 
Curiosidades sobre Revestimentos Cermicos
 
Quais so as funes dos revestimentos?
O revestimento cermico tem as funes de:
1. Proteger os elementos estruturais
2. Auxiliar nas vedaes no cumprimento de suas funes:
- isolamento trmico
- segurana ao fogo
- estanqueidade de gua e gazes
3. Regularizar a superfcie dos elementos de vedao
4. Constituir no acabamento final, cumprindo as exigncias de:
- esttica
- valorizao econmica
- higiene
<<voltar




Porque usar placa cermica no meu revestimento?
- Material adequado ao clima brasileiro;
- Facilidade de limpeza;
- Durvel;
- Resistente;
- Antialrgico;
- Antiinflamvel;
- Possibilidade de criar diferentes opes de decorao do ambiente.

<<voltar




Como produzida a placa cermica?
A produo da cermica se d pelo seguinte processo: com uma pasta, sucessivamente secada e queimada em alta temperatura, que proporciona resistncia e dureza ao material.
<<voltar




Quando surgiu a cermica?
A origem da cermica imprecisa, pois compreende um vasto grupo de produtos nascidos com a civilizao primitiva.
O revestimento cermico um produto muito antigo, o primeiro exemplo de seu uso para colorir e decorar superfcies, data da civilizao babilnica, isto , do sculo 6 A.C..

<<voltar




A histria da evoluo das cermicas?
A histria dos revestimentos cermicos remonta h sculos, tendo sua origem perdida entre o oriente (China) e oriente mdio (Turquia), quando apesar da tecnologia em decorao avanada para a poca, sua produo era artesanal.
Por muitos sculos o revestimento cermico foi sinnimo de produto luxuoso, usado no piso e parede das casas de pessoas ricas. Aps a II Guerra Mundial, a produo de cermica (lajotas e azulejos) apresentou um desenvolvimento industrial considervel com o advento das tcnicas de produo. A possibilidade de produzir em escala industrial baixou os preos e os tornou acessvel grande parte da populao.
Na fase inicial deste perodo, os revestimento cermicos foram usados principalmente para satisfazer necessidades funcionais, tais como higiene e facilidade de limpeza e, desse modo, empregado em banheiros e cozinhas. A indstria cermica evoluiu com rapidez, desenvolvendo novos materiais que ampliaram consideravelmente as opes e tipos de revestimento disponveis.
Como resultado, a cermica gradualmente passou a ser uma opo para outros ambientes domsticos, como salas de estar, halls de entrada e quartos de dormir, bem como um material a ser usado em ambientes pblicos e industriais e em reas externas e internas.

<<voltar




Quando surgiu o porcelanato (porcelain tale)?
na dcada de 90 que acompanhamos o surgimento e desenvolvimento dos porcelanatos. Com peas melhores e linhas de produo mais rpidas, surgiu uma maior exigncia na qualidade e inovao de produtos.
J quase atravessando o milnio, nasceram os formatos ainda maiores, como 45x45 cm, 60x120cm.

<<voltar





Como o processo de produo do porcelanato (porcelain tale)?
O porcelanato obtido a partir de matrias-primas de grande pureza, submetidas a presses de compactao acima da utilizada nos materiais cermicos convencionais, e tambm um tratamento trmico. Como resultado, temos um produto compacto, homogneo, denso e totalmente vitrificado.
<<voltar





CARACTERSTICAS  TCNICAS


O que ABSORO DE GUA?
Todo revestimento cermico tem uma certa porosidade, isto , tem espaos vazios em sua base (massa).
Quanto menor a porosidade de um revestimento, menor a quantidade de gua que ele pode absorver e melhores sero as suas caractersticas tcnicas. Esta caracterstica utilizada para a classificao dos revestimentos cermicos.
A Norma NBR 13.817/1997, baseada na ISO 13.006/1995, classifica os revestimentos cermicos de acordo com sua absoro de gua:

O que Carga de Ruptura e Mdulo de Resistncia a Flexo?
Representam a resistncia da pea cermica quando submetida a uma fora aplicada linearmente em sua regio central, com intensidade progressiva e de velocidade constante. O apoio da respectiva pea realizado a 1cm de ambos os seus extremos, tambm de forma linear.
A Carga de Ruptura considera a espessura do revestimento cermico e expressa em Newtons (N). Assim, para um mesmo revestimento cermico com espessura maior que outro, apresenta uma Carga de Ruptura maior.
O Mdulo de Resistncia Flexo (MRF) expressa em Kgf/cm, no considera a espessura do revestimento cermico.
Deve-se ressaltar que a resistncia do pavimento como um todo depende fortemente das condies de assentamento, da existncia ou no de desnveis ou cavidade entre a pea a base.
Para um mesmo material a resistncia a flexo est relacionada ao nvel de absoro de acordo com a Norma NBR 13.817/1997, baseada na ISO 13.006/1995.

Tipologia de ProdutoMdulo e Resistncia a Flexo
Porcelanatomaior que 350 kgf / cm
Grsmaior que 300 kgf / cm
Semi -grsmaior que 220 kgf / cm
Semi - porosomaior que 180 kgf / cm
Porosomaior que 150 kgf / cm

<<voltar





O que RESISTNCIA ABRASO (PEI)?
O desgaste por abraso causado pelo atrito das solas dos calados (ou pneus) em contato com sujeiras abrasivas (como areia, areio, terra, etc.) sobre a superfcie esmaltada da cermica.
Com o passar do tempo, este desgaste pode ser to acentuado a ponto de alterar completamente as caractersticas do esmalte (podendo manchar).
A resistncia abraso muito importante para pisos onde existe a circulao de pessoas e veculos. Para paredes no importante, j que o revestimento cermico no sofrer solicitao desta natureza.

<<voltar





Como se verifica o desgaste por abraso de um revestimento em laboratrio?
O mtodo mais utilizado e reconhecido o do Porcelain Enamel Institute (PEI), que um ensaio de "variao de aspecto com o desgaste", ou apenas variao de aspecto. No um ensaio de resistncia ao risco.
Neste mtodo, coloca-se um copo cheio de esferas abrasivas sobre um revestimento cermico. O copo girado, fazendo com que as esferas desgastem o esmalte do revestimento.
Aps um certo nmero de giros, o revestimento lavado e comparado a um revestimento intacto.
<<voltar





Como se classificam os revestimentos cermicos quanto ao PEI?
A classe PEI vai de 0 a 5. A Norma NBR 13.817/1997, baseada na ISO 13.006/1995, classifica os revestimentos conforme a alterao de aspecto da superfcie, como mostra a tabela a seguir:

Estgio de Abraso
N de ciclos para visualizao
Aspecto SuperfcieClasse de Abraso
100Altera PEI 0
150AlteraPEI 1
600Altera PEI 2
750, 1500AlteraPEI 3
2100, 6000, 12000AlteraPEI 4
acima de 12000*No Altera PEI 5

* A Classe PEI 5 abrange simultaneamente a resistncia a abraso a 12000 ciclos e a resistncia ao manchamento.
<<voltar





Qual a importncia da RESISTNCIA ABRASO na prtica?
uma das caractersticas mais importantes na hora de especificar um produto.
Dela vai depender a durabilidade de um produto em condies normais de uso.
A escolha do PEI adequado pode proporcionar beleza e vida ao piso por muitos e muitos anos.
Do contrrio, a escolha inadequada do PEI pode condenar um produto de alta qualidade a uma vida muito curta.
A Ribeiro Representaes relaciona os PEI's adequados dos revestimentos com o local de uso ideal, como na tabela abaixo:

Classe de AbrasoLocal de uso Recomendado pela Ribeiro Representaes
PEI 0Uso em: Paredes
PEI 1 Uso em: Banheiros e quartos residenciais
PEI 2Uso em: Dependncias residenciais sem comunicao para o exterior
PEI 3Uso em: Todas as dependncias residenciais
PEI 4Uso em: Todas as dependncias residenciais e ambientes comerciais de trfego mdio
PEI 5 Uso em: Todas as dependncias residenciais e ambientes comerciais de trfego intenso

*OBS:. Para o porcellanato e/ou produtos no esmaltados deve-se considerar a Resistncia Abraso Profunda.
<<voltar





O que EXPANSO POR UMIDADE (EPU)?
As cermicas porosas absorvem gua (hidratao). Ao absorv-la e com o passar do tempo, elas sofrem um aumento de volume (expanso).
uma caracterstica muito importante pois, ao absorver gua e expandir seu volume, o revestimento tende a descolar da argamassa. Isso piora quanto menores forem as juntas de assentamento e quanto maior for a dureza do rejunte. Alm disso, revestimentos que expandem muito por umidade tendem a sofrer trincas no seu esmalte, que no acompanham o aumento de volume da base cermica.
A maioria das placas cermicas, esmaltadas ou no, tem expanso por umidade negligencivel, a qual no contribui para os problemas dos revestimentos cermicos quando so corretamente fixados (instalados), porm com prticas de assentamento insatisfatrias ou em certas condies climticas, a expanso por umidade acima de 0,6 mm/m pode contribuir para o descolamento do revestimento cermico.

<<voltar





Quais os cuidados que devo ter para evitar que pisos brilhantes venham a riscar?
Produtos cermicos de superfcie brilhante, inclusive os porcelanatos polidos, so suscetveis riscos, portanto, recursos de proteo devem ser utilizados durante o assentamento. Mantenha a obra sempre limpa, livre de materiais abrasivos e proteja o revestimento para concluir as demais etapas da obra. Durante o uso, dispositivos de limpeza para remoo de resduos de areia do solado de sapatos devem ser adotados, como grades e capachos, entre outros.
<<voltar





O que RESISTNCIA MANCHAS?
Esta caracterstica est relacionada com a facilidade de limpeza de um revestimento cermico. Depende do tipo de esmalte utilizado.
A Norma NBR 13.817/1997, baseada na ISO 13.006/1995, classifica os revestimentos cermicos de acordo com a sua facilidade de limpeza, conforme a tabela:

ClassePode ser Limpo com:
5gua quente
4Detergente comum* mais gua
3Detergente fortes** mais gua
2Produtos especiais
1No possvel Limpar

* pH entre 6,5 e 7,5.
** pH entre 9,0 e 10,0.

<<voltar





Qual a importncia da RESISTNCIA A MANCHAS na prtica?
Esta caracterstica muito importante para ambientes domsticos, hospitalares e industriais, onde a facilidade de limpeza e a higiene so as necessidades. Alm disso, a esttica no pode ser esquecida, pois um revestimento manchado tira a beleza do ambiente.
<<voltar





O que RESISTNCIA AO ATAQUE QUMICO?
No dia-a-dia, os produtos cermicos esto em contato com os mais variados produtos qumicos, como produtos de limpeza e outros. Por isso, eles devem ter resistncia contra a ao destes reagentes.
A resistncia ao ataque qumico est diretamente ligada composio dos esmaltes, temperatura e ao tempo de queima no forno. Os revestimentos cermicos para uso residencial e comercial apresentam resistncia ao ataque qumico de cidos e base com baixa concentrao.
A Norma NBR 13.817/1997, baseada na ISO 13.006/1995, classifica os revestimentos nas seguintes classes de resistncia ao ataque qumico:

ClasseResistncia ao Ataque Qumico
AResistncia qumica alta
BResistncia qumica mdia
CResistncia qumica baixa

<<voltar





Tipologia de ProdutoGruposAbsoro de gua (%)
PorcelanatoBIa0 a 0,5
GrsBIb0,5 a 3,0
Semi -grsBIia 3,0 a 6,0
Semi - porosoBIib6,0 a 10,0
Poroso BIIIacima de 10,0

Quanto menor a quantidade de gua absorvida, maior ser a resistncia do revestimento.
Exemplos: cozinhas, garagens, mercados, lojas, etc.
Em locais muito midos e quentes tambm importante, pois o descolamento evitado.

<<voltar





Qual a importncia da RESISTNCIA AO ATAQUE QUMICO na prtica?

Ao indicarmos um revestimento cermico para determinado local, devemos sempre levar em conta a que tipo de produtos qumicos o mesmo estar sujeito, sob pena do revestimento ser danificado ou corrodo.
Exemplo: revestimento industrial deve ter uma elevada resistncia ao ataque qumico.
OBS.: para limpeza de revestimentos cermicos, no se deve utilizar produtos de limpeza que contenham cido.

<<voltar





O que COEFICIENTE DE ATRITO?
A resistncia ao atrito representada pela medida do coeficiente de atrito, que a razo inversa entre a carga normal aplicada por um elemento deslizante sobre a superfcie ou um piso, a fora tangencial resultante.
Esta propriedade est relacionada capacidade de uma superfcie de referncia resistir ao deslizamento de uma outra superfcie oposta, que se movimenta sobre a primeira.
Do ponto de vista do revestimento cermico, a resistncia que a superfcie da placa cermica exerce em relao ao deslizamento/escorregamento de um transeunte que caminha sobre o piso cermico.

Coeficiente de AtritoUso
Menor que 0,40Satisfatrio para instalaes normais
Maior ou igual a 0,40Recomendado para uso onde se requer resistncia ao escorregamento

Classificao do "Transport Road Research Laboratory" que se encontra na Norma NBR
13.818/1997, anexo N, baseada na ISO 13.006/1995.

<<voltar





Qual a importncia do COEFICIENTE DE ATRITO na prtica?
A determinao do coeficiente de atrito da superfcie das placas cermicas define a utilizao destas, para pisos onde existe a exigncia anti-derrapantes.
Exemplos: escadarias, caladas, pisos inclinados, sadas de emergncia, decks de piscinas, etc.
OBS.: lembramos que produtos considerados anti-derrapantes, quanto maior o ndice do coeficiente de atrito, maior ser a dificuldade de limpeza.

<<voltar





O que Resistncia Abraso Profunda?
o mtodo de ensaio utilizado para verificar a resistncia abraso de peas no esmaltadas, como exemplo o porcellanato. O ensaio procede conforme a NBR 13818/1997, anexo E, baseado na ISO 13006/1995. Neste mtodo coloca-se a pea de encontro com um disco rotativo de ao a uma velocidade constante, escoando entre a pea e o disco, um p fino de alumina para provocar o desgaste da pea (corpo de prova). A quantidade de material removida da superfcie ser parmetro para a avaliao da Abraso Profunda.
<<voltar





O que TONALIDADE?
So variaes de cores, nuances, brilhos e texturas existentes em um produto em funo de fatores relacionados com matria prima e variaes que ocorrem durante o processo de fabricao.
<<voltar





O que destonalizao?
a variao de tonalidade de um produto realizada de forma intencional, contnua, controlada e padronizada.
Intencional porque no fruto do acaso, no o resultado de variveis fora de controle, sim uma variao deliberada e cuidadosamente planejada e provocada.
Contnua porque no a sucesso de grupos de tonalidades diferentes, no a variao de tonalidade entre lotes, sim uma variao ininterrupta de tom, de tal forma que qualquer amostra aleatria do produto possua em seu interior todas as tonalidades previstas.
Controlada porque no uma variao aleatria, sim a produo de uma sequncia ordenada de variaes que devem ocorrer dentro de limites precisos.
Padronizada porque as variaes no variam com o tempo, so sempre as mesmas variaes que devem ocorrer. Um conjunto de tons deve ser definido e padronizado para cada produto destonalizado.

<<voltar





Por que os produtos so classificados por CDIGOS DE TONALIDADE?
As cores cermicas so classificadas em faixas de tonalidade prximas (nuanas), identificadas com cdigos numricos nas embalagens.
Exemplos: 5010, 5011, 5012, 5013.
Cada conjunto de caixa identificado com o mesmo nmero de tonalidade, forma um lote de produo para um determinado produto.

<<voltar





Qual a importncia da TONALIDADE na prtica?
Num mesmo ambiente deve-se utilizar caixas do produto identificado com o mesmo nmero de tonalidade. Ento, na obra, o proprietrio deve verificar se as embalagens esto rigorosamente separadas por cdigos, formando pilhas uniformes, e se essas pilhas esto com os cdigos todos para frente. Assim no ter problemas futuros de "caixas intrusas", ou seja, poder haver uma diferena muito grande entre as tonalidades das diferentes caixas.
Antes de assentar confira se todas as caixas tm a mesma identificao de qualidade, tamanho, bitola e tonalidade. Retire o material de 3 ou 4 caixas, faa um painel e verifique se o conjunto fica harmonioso. Este procedimento permite ao cliente verificar se gosta ou no do efeito conseguido.

<<voltar





O que BITOLA?
So os limites de variaes nos tamanhos das peas, que ocorrem por causa de pequenas diferenas de temperatura do forno e pequenas variaes de granulometria do material. Estes limites so precisos entre um mnimo e um mximo, previstos na Norma NBR 13.818/1997 anexo X, baseado na ISO 13.006/1995.
<<voltar





Qual a variao da mesma BITOLA?
Entre as peas cermicas existem variaes de tamanho que so inerentes ao processo produtivo, por isso a Norma permite uma variao de tamanho de at 0,6%. Para alguns formatos esta variao muito grande, por isso a Ribeiro Representaes resolveu dividir esta variao de tamanhos em bitolas. Bitola 4 Pequeno, Bitola 5 Mdio, Bitola 6 Grande. Com o desenvolvimento da tecnologia e o constante aprimoramento da Ribeiro Representaes, atualmente podemos dizer que a Ribeiro Representaes diminui esta variao e classifica seus revestimentos em apenas duas bitolas, inclusive nos produtos retificados.
<<voltar





Qual a importncia da BITOLA na prtica?
Uniformidade das Juntas - Facilidade de Alinhamento - No se pode assentar produtos de diferentes bitolas num mesmo local, pois as juntas no ficaro com um alinhamento adequado, e como conseqncia teremos um revestimento no uniforme e cheio de falhas.
<<voltar





O que a MODULARIDADE?
Consideramos uma pea modular quando o tamanho de fabricao da pea, somado com a largura da junta mltiplo ou submltiplo do mdulo M que igual a 100mm. Para identificar uma pea modular coloca-se um M antes do formato, por exemplo: M45x45cm, M30x30cm. Conforme a norma NBR 13818/1997, as juntas para azulejos devem variar 1,5mm 5mm e para pisos 2mm 5mm em peas modulares.
Por exemplo o piso M45x45cm submltiplo de 900mm pois, (900/2=450mm) e 900 mltiplo de M (9xM=900mm). O tamanho de fabricao deve variar conforme a norma, entre 445,0 448,0mm, a Ribeiro Representaes escolheu 445,0mm. O formato modular permite uma componibilidade entre os produtos e conseqentemente reduz custos, pois eliminam cortes.

<<voltar





O que a PAGINAO?
A arte de jogar com formatos componveis formando desenhos de juntas (paginaes de juntas) chama-se paginao. Com a paginao podemos criar ambientes, fachadas, prdios diferentes e nicos. A Ribeiro Representaes tem diferentes produtos adequados para a paginao, como tozetos, listelli, mosaicos, entre outros. Recomendamos fazer um painel no cho antes de assentar para verificar se existe harmonia na paginao, alm de consultar arquitetos e decoradores especializados.

OBS.: No esquea que as placas devem ter a mesma bitola.

<<voltar





O que um PRODUTO RETIFICADO?
uma pea que passa entre rebolos que garantem dimenses finais precisas.
<<voltar





O que um PRODUTO BISOTADO?
uma pea com as bordas chanfradas a 45 graus, para dar um melhor acabamento do que o de uma pedra natural.
<<voltar





O que um PRODUTO LAPADO?
Produto LAPADO um produto que recebe um polimento especial.

Esse polimento especial...
1- Abre um brilho de mdia intensidade.
2- Acompanha os relevos da superfcie, portanto um polimento que "ondula com a superfcie".
3- No um polimento contnuo, ou seja, h regies sobre a pea que brilham e outras que no brilham, essas regies se mesclam entre si e se distribuem por toda a pea.

<<voltar





O que DILATAO TRMICA LINEAR?
a variao dimensional exibida pelas peas cermicas como resultado de mudanas de temperaturas. Esta dilatao um fenmeno reversvel, e todos os produtos da natureza apresentam, diferenciando apenas o grau de variao. Nas peas cermicas, a dilatao varia de 4 a 8 milsimos de milmetros por metro de comprimento inicial a cada 1C de aumento de temperatura.
<<voltar





Qual a importncia da DILATAO TRMICA LINEAR na prtica?
importante conhecer a dilatao trmica da placa para sabermos se ela resiste altas temperaturas. Exemplos: Lareiras, saunas e semelhantes.
<<voltar





Qual a importncia da RESISTNCIA AO GELO na prtica?
A gua que penetra na cermica, ao congelar, aumenta o volume, danificando a placa. mais uma caracterstica que depende praticamente da baixa absoro d'gua e, consequentemente, da baixa porosidade.
Exemplos: cmaras frigorficas e regies frias (neve).
O porcellanato e o Porcellanato Rstico  so considerados anti-gelvolos.

<<voltar





ASSENTAMENTO E REJUNTAMENTO


Os 10 mandamentos para se iniciar um ASSENTAMENTO ideal.
A prtica vem demonstrando que a quase totalidade dos problemas ocorridos se deve ao assentamento, e no s caractersticas ou ao processo de fabricao da cermica.
Deve-se seguir alguns cuidados para iniciar um assentamento, este procedimento evitar possveis problemas e tornar o servio mais rpido e bem feito.

1. Verifique se o revestimento indicado para o uso no local a ser assentado, conforme especificao e caractersticas tcnicas.
2. O consumidor tem obrigao de ler as instrues escritas na embalagem e pedir informaes antes de assentar. Verifique se a referncia, a bitola, a tonalidade e a qualidade indicadas nas embalagens so iguais.
3. A cada embalagem aberta, verificar se existem peas com algum tipo de defeito. Separ-las para os recortes.
4. Antes de assentar, aconselha-se montar um painel no cho com os revestimentos, utilizando peas de 3 ou 4 caixas. Pode-se, desta maneira, visualizar como ficar o ambiente aps o assentamento.
5. Planeje a melhor distribuio das peas para facilitar o servio, evitando recortes ganhando tempo e economizando materiais.
6. Verifique a qualidade dos servios anteriores do assentador, se ele usa juntas, assenta com bom alinhamento e se todas as ferramentas necessrias esto em bom estado.
7. Adquira no mnimo 10% a mais dos produtos para quebras, recortes e reserva tcnica.
8. Antes de iniciar o assentamento, as instalaes hidrulicas e eltricas devem estar concludas e testadas.
9. O assentamento deve ser executado em condies climticas adequadas. Recomenda-se temperatura ambiente e dos materiais maior ou igual a 5C.
10. Verifique se as argamassas de assentamento e rejuntamento so as recomendadas para o ambiente e para o produto que ser assentado e aconselhvel, em caso de dvidas, consulte o fabricante de argamassas.

<<voltar





Quais os tipos de ARGAMASSA?
Basicamente existem dois tipos de argamassas:
1) Feitas na obra (a base de cimento);
2) Industrializadas.
Aconselhamos o uso de argamassas industrializadas, tambm so a base de cimento, mas possuem aditivos que melhoram o seu desempenho, tornando-as impermeveis, anti-fungos e etc.
Argamassas simples de cimento so de baixa porosidade, impermeveis e bastante resistentes, mas com retrao de secagem elevada e tendncia a fissurao. Secam rapidamente, permitindo a aplicao da camada seguinte em curto espao de tempo. Apresentam baixa plasticidade e retentividade sendo, portanto, pouco trabalhveis.
Argamassa simples de cal so pouco utilizadas atualmente, embora tenham sido a soluo construtiva tradicional. Com a difuso do uso cimento portland como material de construo com suas propriedades de rpido endurecimento e resistncia mecnicas elevadas fizeram com que se substitusse o uso de argamassas simples de cal por argamassas mistas de cimento e cal.
Argamassa mista de cimento e cal. Renem vantagens dos dois materiais, obtidas atravs de um proporcionamento.
Argamassa colante (industrializadas). Fazendo uso de argamassa colante industrializada, podemos ter um perfeito assentamento de revestimentos para piso.

<<voltar





Como executar o PISO TRREO?
Para um se ter um revestimento bonito e sem problemas, deve-se preocupar muito com a preparao do subsolo e contrapiso. Uma estrutura ideal seria constituda por vrias camadas, dispostas da seguinte maneira:

Argamassa Colante  / Camada de Nivelamento  / Camada de Concreto  / Camada Impermeabilizante / Camada de Pedra Britada  / Camada de Areia  / Camada de Terra

Seo genrica da estrutura de um piso
1. Terra: retirar todos os restos da construo e materiais orgnicos (madeira, papel, razes). Se o terreno for mido, prever uma camada de pedrisco para drenagem de solo subterrneo. E o solo deve estar perfeitamente compactado, evitando vazios.
2. Areia
3. Pedra Britada
4.Camada Impermeabilizante: debaixo do contrapiso, aplicar manta de Poliuretano (plstico preto), com as bordas voltadas para cima, em membrana equivalente.
5. Concreto. Esta camada varia de acordo com o tipo de estrutura. Dever ser previamente calculada pelo engenheiro civil / responsvel tcnico da obra.
6. Nivelamento: a camada deve ter no mximo 3cm. Se o contrapiso necessitar de nivelamento, utilize diversas camadas finas. Proteger a camada de nivelamento do sol e da evaporao, molhando-a pela manh ou final da tarde.

Caso haja baldrame, aplique uma camada de piche para impermeabilizar.
OBS.: As juntas so indispensveis e deve-se ter uma junta que acompanha todo o permetro da habitao, para que o pavimento como um todo encoste desimpedido contra as paredes.

<<voltar





Alguns cuidados com a execuo do CONTRAPISO.
Caimentos corretos;
Endurecimento da pelcula de nata de cimento antes da aplicao da argamassa de contrapiso (fazer por etapas);
Deslocamento de pessoas e carrinhos sobre pranchas enquanto o conrapiso estiver fresco;
Compactao;
Isolamento da rea por no mnimo 3 dias, trfego cuidadoso aps esse perodo;
Cura do contrapiso: 28 dias.

<<voltar





Como executar as estruturas de PAREDES?
Uma parede bem preparada indispensvel para um bom assentamento.
Assim, podemos evitar alguns problemas no futuro, como descolamentos, umidade e etc.
Verifique se no tem rebocos soltos, que devem ser retirados e refeitos.
Deve-se faz-la como segue ou, se j estiver pronta, verificar se foi preparada desta maneira:
Base: Concreto, alvenaria, tijolo macio ou furado, bloco de concreto, painis de concreto celular, coluna (verificar se existe junta estrutural): devem estar previamente umedecidos, sem satur-los. Verificar se a base est bem assentada, evitando empenamentos na parede.
Tela tipo Galinheiro: Para absorver as possveis movimentaes da estrutura e evitar o aparecimento de trincas, colocar uma tela galvanizada (evita ferrugem) na unio entre a estrutura de concreto e alvenaria.
<<voltar





Quais as CARACTERSTICAS mais importante da BASE?
Resistncia Mecnica: deve ser maior que a do revestimento aplicado sobre ela. Este aspecto muito importante quando so utilizadas argamassas ricas em cimento, pois isto restringe a fissurao da argamassa por secagem, reduzindo infiltrao de gua atravs de fissuras do revestimento e, consequentemente reduzindo a permeabilidade gua do conjunto base/revestimento.
Textura Superficial: a superfcie deve apresentar-se bastante rugosa para possibilitar uma boa aderncia do revestimento. Quando a base no possuir naturalmente esta caracterstica, deve ser includa no projeto a especificao do uso de chapisco, produo de ranhuras ou o apicoamento da base para a produo de macro-engastes mecnicos que contribuam para a aderncia do revestimento base.
Permeabilidade da gua: importante para a estanqueidade da edificao. Deve ser observada no sentido de se identificar a necessidade de dotar o revestimento de propriedades que assegurem a impermeabilidade do conjunto base/revestimento.
Absoro de gua capilar e porosidade: Em bases com alta absoro deve ser evitada a especificao de revestimentos em argamassa pois, mesmo utilizando-se revestimentos de baixa absoro capilar, elas (bases) absorvem muita gua do revestimento em perodos de chuva, a qual tem dificuldade de retornar ao exterior, uma vez cessada a precipitao. Na aplicao apresentam problemas pois absorvem rpido e intensamente a gua das argamassas, impedindo uma boa aderncia e prejudicando a hidratao do cimento. As bases com baixa suco (absoro inicial), por outro lado, no conseguem succionar das argamassar a gua que transporta os aglomerantes da argamassa e que, cristalizando-se nos poros da base, geram os micro-engastamentos necessrios ligao entre base e revestimento. Neste caso, deve ser especificado o uso de aditivo com propriedade colante na argamassa de revestimento para melhorar sua aderncia base.

<<voltar





Alguns cuidados bsicos para CONCRETAGEM?
Alguns cuidados bsicos podem ser tomados com o objetivo de detectar de antemo e contornar possveis falhas na estrutura de formas:
Dispor de pessoa encarregada de observar o comportamento do conjunto de formas durante a concretagem na busca de pequenos deslocamentos ou deformaes.
Dispor de adequada iluminao s operaes de concretagem e visualizao das formas.
Dispor de escoras, mos francesas, cunhas e elementos variados, de fcil alcance, a fim de que qualquer medida corretiva que se ache necessria possa ser rapidamente realizada.

<<voltar





Em quais CONDIES OS ELEMENTOS ESTRUTURAIS devem se encontrar para O INCIO DO ASSENTAMENTO?
Para um assentamento perfeito os elementos estruturais (contrapisos e paredes) devem estar:
Totalmente curados (devem secar durante 4 semanas ou at apresentarem uma cor cinza claro).
Limpos, sem sujeiras, gorduras e partes soltas.
Secos e arejados.
Nivelados, desempenados, com caimento para ralos (contrapisos) e prumados (paredes).
No assentar revestimentos cermicos sobre uma estrutura "verde". A estrutura ideal deve estar curada, homognea, limpa e com rugosidade apropriada, nivelada, sem eflorescncia, impermeabilizada, mecanicamente resistente, isenta de partculas soltas, sem fungos e sem fissuras.

<<voltar





Quando necessrio MOLHAR OU NO MOLHAR as placas cermicas?
A grosso modo, a deciso de molhar ou no molhar o revestimento antes do assentamento depende do tipo de argamassa utilizada:
Argamassas preparadas na obra:
Tem baixa reteno de gua, liberando-a muito rapidamente para o revestimento.
Isto faz com que falte na massa a gua necessria para a reao qumica do cimento (cura), prejudicando a aderncia dos revestimentos.
Neste caso, os revestimentos devem ser mergulhados em gua por 15 minutos. Aps isso, retir-los e deix-los sombra at o assentamento.
Argamassas industrializadas:
Geralmente elas tm elementos retentores na sua composio que no permitem que a gua v para o revestimento.
Neste caso, basta passar uma esponja mida na muratura para retirar a poeira e outras sujeiras.

<<voltar





Quais so as DESEMPENADEIRAS que devo utilizar para o assentamento?
A Norma NBR 13754:1996 relaciona o tamanho das desempenadeiras com a rea da superfcie das placas.

rea da superfcie das placas
cermicas em cm2
Formato dos dentes da
desempenadeira em mm
Menor que 400 cm2 Quadrados 6 x 6 x 6
Maior ou igual a 400 cm2 e menor que 900 cm2 Quadrados 8 x 8 x 8
Maior ou igual a 900cm2 * Quadrados 8 x 8 x 8

*Deve-se espalhar e pentear a argamassa no tardoz das placas (Dupla Colagem).

Para fachadas:

A Norma NBR 13755:1996 relaciona o tamanho das desempenadeiras com o tamanho das reentrncias do tardoz das placas e o tipo de aplicao da argamassa, apenas para revestimento com superfcies de reas iguais ou menores que 400cm2.

Reentrncias de placas cermicas mm Formato dos dentes da
desempenadeira em mm
Aplicao
Camada
Tardoz com reentrncias menor ou igual a 1 mm Quadrados 8 x 8 x 8 nica
Tardoz com reentrncias maior que 1 mm Quadrados 6 x 6 x 6 Dupla Camada

Os dentes gastam depressa pelo fato de raspar contra o substrato o dia todo. Uma vez gastos os dentes, fcil achar uma pea sem colar por falta de camada, digamos assim (dente gasto). Assim, a desempenadeira deve ser trocada assim que estiver um mm gasta.
<<voltar





DUPLA COLAGEM: Por qu?
As peas com formato igual ou superior a 30x30cm requerem dupla colagem por que as peas cermicas so levemente convexas, (as peas precisam ser levemente convexas para que no gastem de modo preferencial nas bordas). Este requerimento significa que a impregnao do verso da pea mais difcil no centro. Se os dentes esto gastos ou os cordes esto secos, fcil que a pea fique sem apoio no centro. Da a necessidade da dupla aplicao: sobre a pea (conforme as Normas NBR 13.753,13.754 e 13.755/1995, deve-se verificar se o tardoz da placa est 100% coberto de argamassa), e sobre o substrato.
<<voltar





Como executar o ASSENTAMENTO EM PISOS.
1. Verifique as possveis falhas na execuo do contrapiso, que tem que ser de concreto, estar nivelado, desempenado e com caimentos perfeitos.
2. Verifique possvel umidade, deve-se constatar se o contrapiso encontra-se sem umidade e limpo. Todavia para pisos externos ou em locais sujeitos a insolao/ventilao, a base deve ser pr umedecida, sem satur-la.
3. Verifique com ateno os locais onde encontram-se colunas, ralos, pias, vasos sanitrios, boxe e etc, pois nestes pontos as placas cermicas devero receber cortes. Estude os cortes para evit-los nas partes visveis.
4. Prepare a argamassa de assentamento. Colante: A quantidade de gua deve ser indicada na embalagem da argamassa. No preparo manual, colocar a argamassa colante em p em um recipiente apropriado, plstico de preferncia e adicionar gua aos poucos, misturando e amassando at obter uma argamassa sem grumos, pastosa e aderente. No preparo mecnico, colocar gua em balde, sob agitao de misturador, ir acrescentando o p at chegar ao ponto da argamassa.
5. Aguarde reao da argamassa Para os aditivos iniciarem sua ao, a argamassa colante preparada deve ficar em repouso por um perodo de tempo indicado na embalagem do produto, e a seguir deve ser novamente reamassada.
6. Espalhe a pasta. A pasta deve ser espalhada em faixas de 60 cm de largura, para facilitar a colocao das placas cermicas. Porm a extenso da faixa de espalhamento da argamassa colante deve ser determinada para cada caso e depende das condies locais. Use o lado liso de desempenadeira de ao dentada, apertando-a de encontro superfcie do contrapiso, formando uma camada uniforme de cerca de 3 a 4mm.
7. Faa os cordes (sulcos). Aplicar o lado dentado da desempenadeira em ngulo de 60 graus, formando cordes que facilitam o nivelamento e a fixao das placas cermicas.
8. Faa o Teste da ponta dos dedos, para verificar se a argamassa ainda est boa para se trabalhar. Deve-se dar ateno especial locais sujeitos a insolao, vento ou corredor de ar.
9. Aplique as placas cermicas sobre os cordes, de preferncia das extremidades para o centro, sempre pressionando-as com as mos. Deve-se obedecer a disposio prevista para as placas e largura das juntas de assentamento com o auxlio de espaadores plsticos previamente gabaritados. Estes tambm funcionam como amortecedores.
10. Bata sobre o revestimento com um martelo de borracha, amassando por completo os cordes de argamassa e expulsando o ar retido.
11. Controle o alinhamento das juntas sistematicamente com o auxlio de linha esticada longitudinal e transversalmente.
12. Nivele os revestimentos utilizando uma rgua de madeira. Bater sobre ela com um martelo de ao.
<<voltar





Quais testes posso realizar DURANTE O ASSENTAMENTO para verificar se este est correto?

Os seguintes procedimentos so importantes para se controlar a qualidade do assentamento:

Teste do Toque:
Pressionar o dedo na argamassa de assentamento aplicada na estrutura, de tempos em tempos.
A argamassa deve ficar grudada no dedo. Caso contrrio, deve-se substitu-la.
O emprego da argamassa deve ocorrer no mximo de 2h e 30min aps o seu preparo, sendo vedada neste perodo a aplicao de gua e outros produtos.

Teste de Aderncia:
Remover uma placa a cada 5 m, assentada no mximo h 30 min e escolhida ao acaso, esta deve ter o tardoz (muratura) inteiramente impregnado de argamassa colante.

Teste de Alinhamento:
Observar o alinhamento de cada nova fiada colocada. No caso de termos peas desalinhadas, retir-las e fazer os devidos ajustes.

Teste do Descolamento (som oco):
Antes de rejuntar, bater com o cabo do martelo (ou um pedao de madeira) em cada revestimento assentado. Se ouvir um som "oco" porque est mal assentado e pode descolar com o tempo. Retirar e assentar novamente.

O proprietrio da obra, antes de pagar o assentador, deve verificar o assentamento, se encontrar algum problema deve solicitar ao assentador os devidos reparos.
<<voltar





Quais as CAMADAS que executamos antes do assentamento em paredes?
Os revestimentos de paredes so constitudos de camadas. Todas as camadas esto unidas entre si, com maior ou menor grau de ligao em funo dos cuidados dispensados no preparo das misturas doas materiais de sua aplicao.

Sarapico ou Chapisco: tem a funo de criar uma camada spera e desregular para ancorar as camadas seguintes. Deve ter o trao 1:3 de cimento e areia grossa mdia. Chapar firmemente a argamassa, ficando com no mximo 5mm de espessura.

Emboo: serve para nivelar e prumar a parede. Alm de ter o importante papel de estanqueidade do conjunto base/revestimento, em revestimentos externos. Deve ser rugoso e ter o trao em volumes aparentes variando de 1:1:6 a 1:2:9 de cimento, cal hidratada e areia mdia mida. Sua espessura deve ser entre 10mm a 15mm.

OBS.: As juntas so indispensveis.

<<voltar





Como executar o ASSENTAMENTO EM PAREDES?
Fazendo uso de argamassa colante industrializada, podemos ter um perfeito assentamento de revestimentos para paredes internas. Porm podemos utilizar a argamassa produzida na obra.
1. Verifique as possveis falhas na execuo na superfcie das estruturas, como ondulaes, falta de pedaos dos blocos e blocos salientes ou aprofundados.
2. Verifique possvel umidade, deve-se constatar que a parede encontra-se sem umidade, limpa e curada.
3. O assentamento das placas deve ser realizado de baixo para cima, uma fiada de cada vez.
4. Deve-se assentar duas placas que serviro de guias. Estas sero assentadas nas extremidades da borda inferior da parede, tomando-se como referncia a cota prevista para o revestimento do piso. Apoiadas sobre calos adequadamente nivelados, utilizando-se por exemplo, o nvel bolha.
5. Estique uma linha para servir como guia para o posicionamento das demais placas desta fiada, entre as duas placas j assentadas. Pode-se tambm usar rgua de madeira/ metlica ao invs da linha. E temos instrumentos desenvolvidos como nvel a laser e/ou eletrnico.
6. Garanta o prumo das fiadas verticais, assentando uma placa guia em cada extremidade superior da parede, devidamente aprumada e nivelada.
7. Estude os cortes. Verifique os locais onde encontram-se janelas, portas, interruptores e etc., pois nestes pontos as placas deveram receber cortes. Evite cortes nas partes visveis.
8. Prepare a argamassa de assentamento. Colante: A quantidade de gua deve ser indicada na embalagem da argamassa. No preparo manual, colocar a argamassa colante em p em um recipiente apropriado, plstico de preferncia e adicionar gua aos poucos, misturando e amassando at obter uma argamassa sem grumos, pastosa e aderente. No preparo mecnico, colocar gua em balde, sob agitao de misturador, ir acrescentando o p at chegar ao ponto da argamassa.
9. Aguarde reao da argamassa Para os aditivos iniciarem sua ao, a argamassa colante preparada deve ficar em repouso por um perodo de tempo indicado na embalagem do produto, e a seguir deve ser novamente reamassada.
10. Espalhe a pasta. A pasta deve ser espalhada em faixas de 60 cm de largura, para facilitar a colocao das placas cermicas. Porm a extenso da faixa de espalhamento da argamassa colante deve ser determinada para cada caso e depende das condies locais. Use o lado liso de desempenadeira de ao dentada, apertando-a de encontro superfcie da estrutura anterior, formando uma camada uniforme de cerca de 3 a 4mm.
11. Faa os cordes (sulcos). Aplicar o lado dentado da desempenadeira em ngulo de 60 graus, formando cordes que facilitam o nivelamento e a fixao das placas cermicas.
12. Faa o Teste da ponta dos dedos, para verificar se a argamassa ainda est boa para se trabalhar. Deve-se dar ateno especial locais sujeitos a insolao, vento ou corredor de ar.
13. Aplique as placas cermicas sobre os cordes, de preferncia das extremidades para o centro, sempre pressionando com as mos. Deve-se obedecer a disposio prevista para as placas e largura das juntas de assentamento com o auxlio de espaadores plsticos previamente gabaritados. Estes tambm funcionam como amortecedores.
14. Bata sobre o revestimento com um martelo de borracha, amassando por completo os cordes de argamassa e expulsando o ar retido.
15. Controle o alinhamento das juntas sistematicamente com o auxlio de linha esticada longitudinal e transversalmente.

<<voltar





Qual o tempo correto de CURA PARA CADA CAMADA DAS ESTRUTURAS?
O tempo de cura de cada camada muito importante, se bem feito pode-se evitar descolamentos, eflorescncias e etc.

Estrutura de concreto e alvenaria estrutural 28 dias
Alvenaria no estrutural 14 dias
Chapisco 3 dias
Emboo de cal 21 dias
Emboo misto (hidrulico) 7 dias
Emboo em vrias camadas 24h entre cada camada

<<voltar





CUIDADOS que devo tomar APS O ASSENTAMENTO.
01. Retire as sobras de argamassa nas juntas e sobre o revestimento.
02. Passe um pano sobre os revestimentos, evitando que a argamassa grude sobre eles.
03. Deixe secar por 3 dias antes do rejuntamento. Proteja os revestimentos com madeira para fazer outros servios na obra e s pise diretamente sobre eles aps 14 dias.

<<voltar





Como executar o ASSENTAMENTO EM FACHADAS?
como assentar paredes com alguns cuidados a mais e especiais para fachadas.
1. Um revestimento cermico bem instalado dura mais do que 20 repinturas.
2. Deve-se fazer um bandejamento de segurana no projeto, ao redor do trreo.
3. Deixe a fachada secar e carbonatar durante 30-60 dias.
4. Tome algum cuidado com o super aquecimento da fachada ao meio-dia no vero.
5. Regule a temperatura da fachada exposta ao sol intenso por umectao.
6. Nos dias de sol e vento, controle a formao de pele, pelo teste do toque.
7. Assente a cermica com argamassa elstica.
8. Especifique cermica de baixa absoro de gua, a prova de chuva e geadas.
9. Rejunte com rejuntamento impermevel, lavvel, antimofo e flexvel.
10. Previna infiltraes de gua pelo terrao, a fim de evitar desprendimento na camada de emboo.
11. Divida o prdio em panos, ao longo das lajes e colunas.

<<voltar





Como executar o ASSENTAMENTO EM PISCINAS?
Para assentar placas cermicas em piscinas, os procedimentos so os mesmos que para pisos e paredes.
Mas, para garantir um servio bem feito, alguns cuidados devem ser tomados:

1. Usar exclusivamente argamassas colantes aditivadas (com impermeabilizantes) e de qualidade comprovada. importante controlar o processo de cura da argamassa, protegendo do sol direto para aumentar a aderncia dos revestimentos.
2. Os revestimentos devem estar com o verso totalmente preenchido de argamassa, evitando-se vazios. Fazer o teste de aderncia e verificar se o verso da pea est coberto de argamassa.
3. Usar juntas de assentamento recomendadas pelo fabricante. Deixar as juntas abertas por 4 dias, antes de rejunte.
4. Usar rejuntes flexveis (para evitar rachaduras), impermeveis (para evitar infiltraes) e epxi (evitam o desgaste pelo contato com o cloro).
5. Aps 3 dias do rejuntamento, a piscina poder ser cheia.

OBS.: Piscinas exigem projetos estruturais desenvolvidos por especialistas. O concreto deve ser impermeabilizado e ter a cura controlada para evitar rachaduras. Alm da escolha adequada do revestimento com um baixo ndice de absoro dgua.

<<voltar





Quais os cuidados especiais que devo ter para assentar placas cermicas em CMARAS FRIGORFICAS?
muito importante que a parede esteja totalmente impermeabilizada e seca.
Adicionar impermeabilizante na argamassa de assentamento.
Depois de assentar, deixe as juntas abertas durante duas semanas antes de ligar o frio, para deixar sair os ltimos vestgios de gua.
Rejuntar com rejunto lavvel e impermevel, de preferncia epxi.
Ligar a cmara frigorfica quando todas as camadas estiverem absolutamente secas.

<<voltar





Como deve ser o REJUNTAMENTO para ser considerado ideal?
Um bom Rejunte deve ser:
Impermevel - para evitar infiltraes de gua da chuva, do chuveiro, das lavaes, etc.
Flexvel - para acompanhar as contraes e expanses da alvenaria, sem quebrar-se ou provocar o descolamento dos revestimentos.
Lavvel - para no encardir e facilitar a limpeza e manuteno.
Antifungo - para no escurecer, e evitar a formao de focos de bactrias.
Com cor estvel - para no clarear com o tempo, destoando dos revestimentos.
Macio - para permitir a troca de revestimentos danificados sem estragar os que esto ao redor.

<<voltar





O que devo fazer antes de INICIAR O REJUNTAMENTO?
Conforme a Norma NBR 13753/13754/13755:1996 para um bom rejuntamento devemos prosseguir da seguinte forma:

1.Devemos iniciar o rejuntamento somente aps 3 dias do assentamento das placas. Tempo necessrio para a fixao das peas cermicas, e a cura da argamassa de assentamento.
2. Faa o teste do descolamento (som oco), batendo com o cabo do martelo (ou um pedao de madeira) em cada revestimento assentado. Se ouvir um som "oco" porque est mal assentado e pode descolar com o tempo. Retirar e assentar novamente.
3. Retire as sobras de argamassa de assentamento, sujeiras, resduos e poeira nas juntas entres as placas, pois podem impedir a perfeita penetrao e aderncia do rejunte.

<<voltar





Existe algum TESTE em que eu posso testar a qualidade dos rejuntes?

Alguns testes podem ser realizados na obra que verificam a qualidade do Rejunte

Teste de Limpabilidade do Rejunte:
Sujar o rejunte com grafite e em seguida limpar com detergente;

Teste de Elasticidade do Rejunte:
A unha deve entrar com facilidade, sem sujar.

Teste de Impermeabilidade do Rejunte:
Rejuntar quatro peas previamente assentadas sobre um compensado. Jogar tinta de caneta sobre a superfcie. A tinta no deve alcanar o compensado.

Teste do Rejunte colorido:
Para o uso do rejunte colorido realizar um teste para verificar se o rejunte mancha a placa cermica.

Indicamos para o rejuntamento argamassas industrializadas.
<<voltar





Como REJUNTAR?
1. Prepare a argamassa de rejuntamento, misturando-a com gua limpa nas propores indicadas na embalagem da argamassa, misturando e amassando at obter um rejunte sem grumos, pastoso e aderente.
2. Aguarde a reao da argamassa. Para os aditivos iniciarem sua ao o rejunte preparado deve ficar em repouso por um perodo de tempo indicado na embalagem do produto.
3. Umedea as juntas com a utilizao de broxas, removendo o p garantindo assim uma boa hidratao do rejuntamento.
4. Espalhe o rejunte (em excesso) com uma desempenadeira de borracha, preenchendo completamente as juntas com movimentos de vai e vem diagonalmente s juntas, forando a penetrao do rejunte.
5. Assim que iniciar o endurecimento da argamassa, remova o excedente com um pano seco ou espuma umedecida em gua.
6. Faa o frisamento (principalmente em placas bisotadas) com uma haste de madeira macia ou de plstico com ponta arredondada e lisa, com dimenso proporcional largura das juntas, de forma a penetrar superficialmente nas juntas; retire o excesso de argamassa e alise a superfcie.
<<voltar





Alguns CUIDADOS essenciais ANTES E DEPOIS DO REJUNTAMENTO?
ANTES
A Ribeiro Representaes indica o uso de cera incolor antes da aplicao do rejunte. Espalhe uma fina camada de cera incolor sobre os revestimentos cermicos, principalmente os de superfcies rugosas e anti-derrapantes. A limpeza final fica rpida, fcil e garantida!
A desempenadeira de borracha deve ser suficientemente macia e resistente de modo que no risque o esmalte da placa cermica e force a pasta para dentro das juntas

DEPOIS.
Devemos dar ateno especial a cura e a proteo dos revestimentos recm rejuntados. Quanto a cura, o piso deve ser mantido mido nos trs primeiros dias, fazendo uma molhagem peridica ou cobrindo com manta de polietileno ou sacos de estopas umedecidos. J para a proteo, deve-se aplicar serragem, sacos de estopa e retalhos de madeira compensada e somente liberados para o trafego de pedestres aps 7 dias e de automveis aps 14 dias.

<<voltar





Como REMOVER O EXCESSO DE ARGAMASSA DE REJUNTE?
O excesso de material j ressecado e resultante do frisamento deve ser removido com o emprego de vassoura com cerdas macias. Caso permaneam manchas proceda da seguinte forma:
1. Esfregue o revestimento com uma esponja dura (ou escova de cerdas plsticas) com saponceo lquido. Todo cuidado pouco quando a textura do revestimento lisa e brilhante.
2. Aplique vinagre branco (de lcool) e gua e deixe reagir e esfregue novamente.
NO O USO DE CIDO MURITICO!!

<<voltar





Qual o TEMPO DE LIMPEZA DE UM REJUNTE aps aplicado?
O rejunte seca em 15 minutos, comea a endurecer em 2 horas aps a preparao. Esses so: o tempo mnimo e o mximo para limpar. De preferncia limpar imediatamente, isto , aos 15 minutos. So muitas as obras sujas devido ao rejunte.
<<voltar





Existem REJUNTES COLORIDOS?
Atualmente j existem no mercado diversas marcas de rejuntes de diferentes cores. Estas argamassas podem ter diversas cores, combinando com o revestimento assentado.
A Ribeiro Representaes indica consultar os fabricantes para saber suas propriedades antes do seu uso.

<<voltar





Para assentar piso e azulejo no mesmo local, A TONALIDADE DEVE SER A MESMA?
No somente a tonalidade. Deve-se ter a mesma qualidade e bitola. Se queremos continuidade das juntas, devemos buscar a componibilidade dos formatos de piso e parede. Dentro dos formatos componveis, teremos necessidade da mesma bitola, sim, para que as juntas de piso e parede tenham a mesma largura.
<<voltar





Posso assentar piso sobre piso?
Sim, desde que se tenha alguns cuidados em relao base (piso antigo)
- deve estar nivelado e limpo,
- bem aderido retirando as peas soltas.

<<voltar





Como assentar piso sobre piso?
Deve-se usar uma argamassa colante industrializada fabricada especialmente para este fim, e no esquecer que o rejunte deve ser flexvel e impermevel.
<<voltar





As juntas na superficie dos revestimentos e entre as peas tipo  devem se rejuntadas?
Sim, as juntas na superfcie destes revestimentos devem ser rejuntadas. Para tanto indicamos a utilizao do rejunte Maxijunta do fabricante Rejuntabrs ou um rejunte base de epxi, sendo que as juntas entre peas (juntas de assentamento) devem ter a mesma largura que as juntas na superfcie da pea e tambm usar o mesmo rejuntamento.
<<voltar





JUNTAS DE DILATAO


Qual a importncia, na prtica, das juntas entre as peas de revestimento?
Antes de assentar os revestimentos muito importante prever as juntas, que o espao deixado entre os revestimentos. Um assentamento sem juntas no um servio bem feito, pois podem ocorrer diversos problemas se elas no existirem. Em uma obra, devem existir alguns tipos de juntas. A importncia, na prtica, das juntas:

- Facilitam o alinhamento dos revestimentos no assentamento;
- Evitam descolamento quando ocorrem expanses e contraes da obra e alvenaria;
- Melhoram a higiene, facilitando a limpeza entre os revestimentos (com juntas secas muito difcil limpar);
- Facilitam a troca de revestimentos, no caso de quebra acidental ou consertos de condutes hidrulicos e eltricos;
- Melhoram a esttica, pois so a " moldura" de um trabalho bem feito;
- Evitam infiltraes, quando utilizamos rejuntes impermeveis (com juntas secas difcil preencher o vazio com rejunte).

<<voltar





Qual a largura mnima das JUNTAS DE ASSENTAMENTO?
A largura das juntas vai depender do tipo de revestimento:

1 - Para Porcellanato :
Os retificados necessitam de juntas de apenas 2 mm. J para os no retificados indicamos juntas de 5mm ou 1% do tamanho da pea, independente de onde sero assentados.

2 - Para  e Pastilhas:
Use juntas de assentamento de 3mm.

3 - Outros produtos  ou :
Use juntas de no mnimo 5mm ou 1% do tamanho da pea, independente de onde sero assentados.

<<voltar





O que so JUNTAS ESTRUTURAIS?
So as juntas existentes na estrutura de concreto das obras, servindo para aliviar tenses provocadas pela movimentao da estrutura. Geralmente, so identificadas por grandes vos abertos que cortam todo o prdio. Permitem que os panos acompanhem a dilatao da malha de baldrames. So juntas preenchidas com tarugo celular por dentro e poliuretano elstico por fora. Devem ser respeitadas em posio e largura em toda a espessura do revestimento.

OBS.: So juntas previamente calculadas no projeto estrutural de total responsabilidade do engenheiro civil ou responsvel tcnico pela obra.

Exemplos: a junta que corre sobre os baldrames de um pavimento, a que corre de pilar a pilar, a que desencosta os pilares, a junta perimetral, a junta horizontal que corre por baixo das vigas das fachadas, e a junta vertical que corre ao longo do eixo das colunas.

<<voltar





Onde devem ser usadas JUNTAS ESTRUTURAIS?
Usar sempre onde existam estruturas, ou seja, sempre. Toda vez que um pavimento passa sobre um baldrame, no inter eixo dos pilares, no encosto com paredes e colunas. Toda vez que uma fachada passa na frente de uma viga ou de um pilar.
<<voltar





Como devem ser preenchidas as JUNTAS ESTRUTURAIS?
O material de enchimento deve ser altamente deformvel para que haja absoro das tenses, e vedada com selante flexvel e impermevel base de elastmeros, tais como poliuretano, polissulfeto, silicone, e/ou outros materiais encontrados em comrcio de materiais de construo.
<<voltar





O que so JUNTAS DE MOVIMENTAO?
So os espaos regulares cuja funo subdividir o revestimento, para aliviar tenses provocadas pela movimentao do revestimento e/ou pelo substrato.
OBS.: So juntas previamente calculadas, de total responsabilidade do engenheiro civil ou responsvel tcnico pela obra.
<<voltar





Onde devem ser usadas JUNTAS DE MOVIMENTAO?
Em pisos internos (NBR 13753) e paredes internas (NBR 13754) : sempre que a rea do revestimento for igual ou maior que 32 m, ou sempre que uma das dimenses do revestimento for igual ou maior que 8 m.
Em pisos externos e expostos umidade: sempre que a rea for igual ou maior que 20 m, ou uma das dimenses maior ou igual 5 m.
Em paredes expostas insolao e/ou umidade : sempre que a rea revestida for igual ou maior que 24 m, ou uma das dimenses for igual ou maior que 6m.
Em fachadas (NBR 13755) : horizontais espaadas no mximo a cada 3 m, ou na regio de encunhamento da alvenaria; verticais espaadas no mximo a cada 6 m.

<<voltar





Como devem ser preenchidas as JUNTAS DE MOVIMENTAO?
O material de enchimento deve ser altamente deformvel para que haja absoro das tenses, tal como borracha alveolar, espuma de poliuretano, manta de algodo para calefao, cortia, aglomerado de madeira com densidade aparente de massa da ordem de 0,25 g/cm, e vedada com selante flexvel e impermevel base de elastmeros, tais como poliuretano, polissulfeto, silicone, e/ou outros materiais encontrados em comrcio de materiais de construo.
<<voltar





O que so JUNTAS DE DESSOLIDARIZAO / UNIO?
So os espaos que separam a rea com revestimento cermico de outras reas (paredes, tetos, pisos, pilares e lajes), aliviando assim, as tenses provocadas pelo revestimento e/ou pelo substrato.

OBS.: So juntas previamente calculadas, de total responsabilidade do engenheiro civil ou responsvel tcnico pela obra.

Exemplos: sacadas, fachadas (em mudanas de andar), muros, paredes e pisos longos (a cada 5 metros lineares).

<<voltar





Onde devem ser usadas as JUNTAS DE DESSOLIDARIZAO / UNIO?
Conforme a NBR 13753:1996 baseada na ISO 13006:1995 e ISO 10545:1995, utiliza-se esta junta em lugares especficos como:

- Permetro de rea revestida
- Encontro com colunas, vigas e salincias
- Encontro com outros tipos de revestimentos
- Encontros com diferentes materiais da base. Ex.: de tijolo para concreto
- Nas paredes, lajes e contrapisos muito compridos

<<voltar





Como devem ser preenchidas as juntas de dessolidarizao / unio?

O material de enchimento deve ser altamente deformvel para que haja absoro das tenses, tal como borracha alveolar, espuma de poliuretano, manta de algodo para calefao, cortia, aglomerado de madeira com densidade aparente de massa da ordem de 0,25 g/cm, e vedada com selante flexvel e impermevel base de elastmeros, tais como poliuretano, polissulfeto, silicone, e/ou outros materiais encontrados em comrcio de materiais de construo.
<<voltar





O que so JUNTAS DE ASSENTAMENTO?
So os espaos regulares entre duas peas cermicas adjacentes, cuja funo principal absorver parte das tenses provocadas pelas peas cermicas e pela base. Tem como profundidade a espessura da pea, e largura variveis conforme o tipo de placa cermica utilizada.
<<voltar





Como devem ser preenchidas as JUNTAS DE ASSENTAMENTO?
Em funo das condies ambientais e/ou exigncias de desempenho conforme o local de assentamento e o tipo de cermica utilizada, o material para preenchimento (rejuntamento) pode ser base de cimento e agregados; cimento; agregados e ltex; resina epxi ou resina furnica. Para isso, deve-se sempre antes de rejuntar, consultar o fabricante da argamassa no caso de ser industrializada, ou solicitar a ajuda de um profissional especializado.
<<voltar





PATOLOGIAS


O que o DESCOLAMENTO / ESTUFAMENTO?
As placas cermicas quando mal assentadas podem descolar, apresentando-se endurecidas, porm quebradias, desagregando-se com facilidade.

As principais causas so:

- A inexistncia de juntas de movimentao
- Deficincias na execuo do assentamento das peas
- Falta de rejuntamento
- Infiltrao de umidade
- Ausncia da camada de Chapisco
<<voltar





Onde ocorrem os DESCOLAMENTOS / ESTUFAMENTOS?
Como os revestimentos so, na obra, a parte mais visvel, so erroneamente culpados pelos descolamentos. Os descolamentos (ou estufamentos), podem ocorrer em qualquer revestimento cermico, independente de sua marca e em qualquer parte do mundo.
Geralmente os descolamentos ocorrem nos locais mais solicitados da obra, como:
- Nos ltimos andares, por serem os mais atingidos pelo sol e pela chuva
- No andar trreo, devido s sobrecargas e acomodaes da estrutura da obra
- Nas paredes voltadas para o sol da tarde
- Nas sacadas, coberturas e terraos expostos ao sol e chuva
<<voltar





Como evitar os DESCOLAMENTOS / ESTUFAMENTOS?
1. Durante o projeto de execuo da obra:
- Usar juntas na estrutura para compensar os movimentos provocados pela acomodao da obra, retrao do concreto, variao trmica, excesso de umidade, etc.
- Fazer corretamente a alvenaria - boa base, boas argamassas, boa mo-de-obra e etc.

2. Durante a escolha das placas cermicas:
Escolher revestimentos com baixa absoro de gua (mximo de 6%) e baixa expanso por umidade.
Isto deve ser feito principalmente em locais midos e quentes (sol, chuva).

3. Durante o assentamento:
- Fazer juntas de assentamento mais largas que as normais
- Proteger do sol, retardando a secagem
- Regular a temperatura da alvenaria nos dias quentes
- Fazer uma boa limpeza na alvenaria

4. No dia-a-dia:
- Evitar sobrecargas e impactos, que ocorrem freqentemente na ocupao da obra
- Eliminar qualquer foco de umidade que possa surgir, como falta de impermeabilizao da estrutura, vazamentos, etc

OBS.:
- No utilize juntas de assentamento menores que as recomendadas pelo fabricante
- Nunca utilize juntas secas, em quaisquer circunstncia
- Utilize sempre rejuntes flexveis, que compensam os descolamentos da estrutura prevenindo o descolamento dos revestimentos.

<<voltar





O que a EFLORESCNCIA?
Depsitos de sais acumulados na superfcie das placas cermicas. A decomposio e o seu aspecto variam de acordo com o tipo de sal depositado. Aparece normalmente na forma de um escorrimento claro nas juntas e, nos casos mais crticos, atravs de furos que produz no esmalte.
<<voltar





Quais as principais causas da EFLORESCNCIA?
As principais causaterial o mesmo pode ser polido ou no.
Por exemplo: Os porcelanatos na tipologia Polidos - (aqueles que possuem brilhos) , recebem um polimento.
O fato de serem retificados, facilitam o alinhamento durante o assentamento.
J no Porcellanato Rstico, nem todos so retificados, porm, possuem tamanho mais preciso que a cermica comum.

<<voltar





Como evitar a EFLORESCNCIA?
- Utilizar revestimentos cermicos com baixa absoro de gua;
- Impermeabilizar a alvenaria;
- Deixar o reboco da parede e contrapiso curarem completamente (at apresentarem uma cor cinza claro), no mnimo 28 dias;
- Reduzir o consumo de cimento tipo Portland, que tem alto teor de sais. prefervel o consumo de cimento tipo Pozolnico,
mais conhecido como cimento hidrulico, que especial para lugares midos;
- Evitar cido muritico na limpeza dos revestimentos (principalmente o de colorao amarelada), pois ataca o rejunte e o esmalte;
- Utilizar rejuntes impermeveis, para evitar que a eflorescncia migre para cima do revestimento.

<<voltar





Como Limpar a EFLORESCNCIA?
Utilizar vinagre de lcool (cido actico) e gua em abundncia.
<<voltar





Como executar o ASSENTAMENTO DE PORCELANATO?
O Porcelanato no exige nenhuma mudana significativa no processo convencional de assentamento de revestimentos cermicos.
Mas, para garantir um servio bem feito, recomendamos as seguintes dicas:
O Porcelanato por ter uma baixssima absoro de gua, no deve ser molhado antes do assentamento. Deve-se apenas retirar o p com um pano seco;
Utilizar juntas de 2 mm no caso de peas retificadas e juntas de 5mm ou 1% do tamanho da pea, no caso de peas no retificadas. O Porcelanato necessita de juntas mnimas para assentamento, garantido um perfeito alinhamento, apenas para que a alvenaria e argamassa possam expandir e contrair sem perigo de descolar o revestimento Para posicionar o revestimento, deve-se coloc-lo um pouco afastado da posio final e arrast-lo at a mesma com um movimento de vai e vem.
Bater vigorosamente com o martelo de borracha sobre toda a superfcie do revestimento, para que o esmagamento dos cordes de argamassa seja total.
Fazer o teste de aderncia a cada 5 m de revestimento assentado.
Utilizar somente argamassa de assentamento industrializada. Verificar se tem efetiva adio de resinas orgnicas (argamassa colante tipo AC-3), conforme a norma NBR 14081. Para porcelanato em fachadas recomendamos a argamassa tipo AC-3E.
Utilizar somente rejuntes epxi industrializados. Verificar se tem efetiva adio de resinas orgnicas, especficas para o uso em Porcelanatos. No esquecer de verificar se flexvel, impermevel, lavvel, anti-fungo e com cor estvel.

<<voltar





Qual a argamassa utilizada para o ASSENTAMENTO DO PORCELANATO?
Esta argamassa possui aditivos qumicos e retentores de umidade que possibilitam a colagem qumica.
uma argamassa colante especial para porcelanato, tipo polimrica, ligao qumica. No use para porcelanato argamassas com ligao a base de cimento. Motivo: o porcelanato tem absoro de gua quase zero, menor que os outros revestimentos. As argamassas convencionais de cimento no servem para colar porcelanato, como tambm no servem para colar vidro ou plstico.
No possvel colar um prato de porcelana quebrado com cimento. Materiais sem capilaridade, no do a mnima chance de ancoragem ao cimento pois no tem como absorver a gua liberada pela argamassa. Use argamassas de tipo AC-3 e AC-3E, conforme
a norma brasileira NBR 14081, que especifica as argamassas colantes.

<<voltar





Podemos UTILIZAR ARGAMASSA PREPARADA NA OBRA PARA ASSENTAR PORCELANATO?
No!! A argamassa preparada na obra no apresenta aditivos qumicos que possibilitam a colagem de um revestimento cermico com baixssima absoro dgua, como o caso do porcelanato. Recomendamos a utilizao de uma argamassa industrializada do tipo AC 3 e/ou AC-3E.
<<voltar





Como devo cortar o PORCELANATO?
Para cortes retos, com largura igual ou superior a 10 cm em peas com formato menor ou igual ao 60x60 , pode-se utilizar o CORTADOR PARA CERAMICA, mas a wdia deve estar bom estado de conservao. Para realizar o corte: efetua-se um RISCO NICO E FIRME sobre a pea (com o auxlio de um riscador) e depois efetua-se o corte normal.
A utilizao do disco da MAKITA (A 86-337) deve ser recomendo para RECORTES e CORTES ESTREITOS e/ou cortes em PEAS COM FORMATO ACIMA DE 60X60 .
Para furos utilizar broca diamantada.
muito importante utilizar o disco e broca certa para ter acabamento perfeito.

<<voltar





Quais as caractersticas do PORCELANATO?
O porcelanato um piso nobre feito com massa de porcelana, com absoro de gua menor que 0,5%, e com isso uma EPU expanso por umidade - praticamente nula. um material de baixa porosidade por possuir uma massa mais densa que a cermica comum, tendo com isso, facilidade na limpeza de sua superfcie. Possui a mais alta das resistncias ao impacto entre todos os produtos do universo cermico com resistncia ruptura de 1300 N. O porcelanato produzido em temperaturas elevadas, por volta de 1250C, com prensas hidrulicas de altssima presso, com massas ricas em feldspato e fundentes nobres, com moagem muito fina e uma sinterizao total.
<<voltar





Existe PORCELANATO esmaltado e sem esmaltar?
Sim. Ns temos os dois tipos, o porcelanato esmaltado o nosso Porcellanato Rstico, onde tem as mesmas caractersticas de um porcelanato. O produzido em monoqueima e classificado quanto ao PEI, pelo fato de ser esmaltado.
O porcelanato sem esmalte chamado de porcelanato tcnico. a nossa linha porcellanato. produzido com massa de feldspato e caulim. A massa clara costuma ser decorada superficialmente com veios coloridos de pedra natural. Quando no decorada por fora, a massa branca costuma ser colorida em toda a espessura, em cores lisas ou granuladas, que custam caro porque consomem muito corante em comparao ao que consumiria um esmalte. a massa nica".

<<voltar





Existe PORCELANATO Polido e no Polido?
Sim, dentro do porcelanato sem esmaltar temos polido e sem polir. O porcelanato sem polir um produto de dureza MOHS adequado para entradas.
O porcelanato polido uma pea retificada pelos 4 lados, chanfrada pelas 4 arestas, polida pela face superior. Tem, portanto, 9 usinagens, mas o porcelanato polido tem uma dureza MOHS mais baixa, devendo ser protegido de areia para evitar riscos.

<<voltar





Segundo a Norma ISO 13006, quando um revestimento cermico classificado como sendo Porcelanato?
Um revestimento cermico classificado como porcelanato quando possui absoro d'gua menor que 0,5% conforme norma ISO 13006.
O nosso porcelanato possui absoro d'gua de aproximadamente 0,1%.

<<voltar





Todo Porcelanato polido e retificado?
Algumas colees da linha porcellanato so retificadas. Dependendo da tipologia do material o mesmo pode ser polido ou no.
Por exemplo: Os porcelanatos na tipologia Polidos - (aqueles que possuem brilhos) , recebem um polimento.
O fato de serem retificados, facilitam o alinhamento durante o assentamento.
J no Porcellanato Rstico, nem todos so retificados, porm, possuem tamanho mais preciso que a cermica comum.

<<voltar





Qual a vantagem de um material ser retificado?
As peas cermicas quando retificadas apresentam praticamente o mesmo tamanho. Fato este que facilita consideravelmente o alinhamento na hora do assentamento.
Quando o porcelanato retificado no h variao de tamanhos em peas do mesmo formato.

<<voltar





Qual a diferena bsica entre um Piso Cermico e o Porcelanato?
A diferena bsica est na absoro d'gua. Os pisos cermicos apresentam absoro d'gua menor que 6%. J os porcelanatos apresentam absoro d'gua menor que 0,5% .
Esta baixa absoro d'gua possibilita:

- Alta resistncia mecnica, suportando cargas pesadas, mesmo com menor peso e espessura que as pedras naturais.
- Alta resistncia a abraso, suportando trfego intenso de pessoas e veculos.
- Alta resistncia ao gelo, podendo ser utilizado em locais com climas muito frios.
- Baixssima expanso por hidratao, no descolando se forem bem assentados.
- Possibilidade de se utilizar juntas de assentamento mnima, dando um acabamento diferenciado.
- Facilidade de assentamento.

<<voltar





Qual a junta de assentamento que devemos utilizar, para assentar o porcelanato?
Para as peas retificadas recomenda-se junta de 2mm e para peas no retificadas as juntas devem ser de 5mm ou 1% do tamanho da pea.
<<voltar





Posso usar junta seca no assentamento do porcelanato?
No. Mesmo para revestimento cermico com E.P.U (expanso por umidade) quase nula, temos que considerar que o sistema de revestimento ( contrapiso + argamassa + rejunte) trabalham com a variao de temperatura e/ou umidade. As juntas de assentamento amortecem esta trabalhabilidade evitando o descolamento do revestimento.
<<voltar





Qual a argamassa de rejuntamento que devemos utilizar?
Recomendamos utilizar rejunte de cor similar ao produto escolhido. O rejunte utilizado deve ser flexvel e impermevel, podendo ser base de epxi que apresenta baixssima
absoro de gua e est de acordo com os padres de qualidade e esttica dos nossos porcelanatos, ou rejunte cimentceo aditivado especial para porcelanatos (diferente do rejunte base de cimento utilizado nas demais cermicas). Para aplicao e limpeza do rejunte siga as recomendaes do fabricante do produto.
No indicamos rejuntes escuros para Porcellanatos Rsticos.

<<voltar





Quando devo fazer o rejuntamento?
O rejuntamento s dever ser feito 72 horas (3 dias) aps o assentamento do piso.
<<voltar





Quais os cuidados que devemos tomar no assentamento do Porcelanato?
O assentamento do revestimento cermico uma fase importante, para garantir a beleza e aumentar a vida til de um sistema revestido com cermica, chamamos a ateno para os seguintes aspectos:

- Conhecer a qualidade do servio do profissional assentador a ser contratado para a execuo dos trabalhos de assentamento.
- Utilizar argamassas e rejuntes adequados.
- Obedecer o tempo de cura contrapiso e ou emboo ( em mdia 28 dias).
- Para formatos acima de 30x30, utilizar a tcnica de dupla colagem.
- Utilizar juntas de assentamento adequadas.
- Tenha certeza de que 100% do verso da pea esteja coberto com argamassa . (a cada 5 m assentado, arranque uma pea e analise a parte de trs da mesma).
- Recomendamos o uso de uma camada de cera incolor sobre as peas antiderrapantes e rsticas antes de rejunt-las, para uma maior facilidade na limpeza.
- Rejuntar 72 horas aps o assentamento.
- No utilizar cido para limpeza o revestimento.

Estes cuidados so importantes para todo o assentamento de revestimentos cermicos e para o porcelanato tambm.

<<voltar





correto utilizar Porcelanato em paredes?
Sim. O porcellanato serve tanto para piso como para paredes. O Porcellanato Rstico, por possuir linhas de cermica desenvolvida especialmente para fazer o conjunto entre piso e parede, no quer dizer que no se possa assent-los em paredes. Com certeza, com essa utilizao, pode-se embelezar os ambientes (tanto quanto as peas desenvolvidas para paredes) com os complementos existentes para a linha e facilitar a modularidade entre peas e alinhamento entre as juntas.
<<voltar





Tem como polir um porcelanato j assentado?
No. Tendo os devidos cuidados de limpeza e manuteno do porcelanato, no h necessidade de polimento.
<<voltar





Como furar o porcelanato sem quebrar?
Para furar o porcelanato necessitamos de uma tcnica diferenciada e de materiais especiais. Por isso, orientamos que procure uma equipe tcnica especializada para a execuo de servios (assentamento, cortes e furos) em porcelanato. Pois deve-se usar broca diamantada para esses furos.
<<voltar





Como remover a pelcula protetora do porcelanato?
Esta pelcula protetora existe apenas no porcellanato, aconselhamos o uso de limpa vidros para remov-la.
<<voltar





USOS ESPECFICOS DE PLACAS CERMICAS


Quais os produtos para PISCINAS E SAUNAS MIDAS?
Produtos com absoro de gua abaixo de 6 %, expanso por umidade abaixo de 0,6 mm/m, no mnimo mdia resistncia ataque qumico, alm da resistncia gretagem. Os rejuntes devem ser resistentes ao cloro e apropriados para piscinas (Ver Fornecedor de Rejuntes) e as argamassas colantes devem ser resistentes imerso permanente (Ver Fornecedor de Argamassas).
<<voltar





Quais as ARGAMASSAS para rea INTERNA, EXTERNA E PISCINA?
Para reas internas deve-se usar AC-1 (rgidas e pouco aditivadas), para rea externa AC-2 (elstica) e para piscinas argamassas tipo AC-2 e AC-3 testadas para no amolecimento sob imerso permanente (recomendada pelo fabricante de argamassa).
<<voltar





Quais os REJUNTES para rea INTERNA, EXTERNA E PISCINAS?
Os rejuntes para rea externa devem ser elsticos e para rea interna conveniente que o sejam, por que a finalidade do rejunte sempre a de permitir a movimentao.
Para piscina devem ser resistentes ao cloro e de baixa permeabilidade, embora a impermeabilidade da piscina dada pela impermeabilizao da caixa de concreto, no pelo rejunte. Os melhores rejuntes para piscina so os poliuretnicos e epxi, os elsticos mais resistentes gua.
Os rejuntes comuns de cimento so baratos, rgidos, fceis de sujar, ficam pretos no 1 dia, e no so removveis causando prejuzos.
Os rejuntes de qualidade so aditivados com polmeros e atravs deles o rejunte se torna elstico e mais fcil de limpar. Existem 3 nveis de qualidade dos rejuntes: 1) os no aditivados, somente a base de cimento 2) os de cimento ltex acrlico, 3) os poliuretnicos e epxi: os que no so base de cimento.

<<voltar





Quais os produtos para CHURRASQUEIRAS?
No contato com o fogo os indicados so os tijolos refratrios amarelos, de alta alumina, separados da estrutura da churrasqueira por uma placa isolante de l de rocha. Por fora devemos especificar revestimentos cermicos resistentes intempries e chuvas, ou seja, produtos com baixa absoro de gua, baixa EPU e que sejam resistentes ao choque trmico conforme NBR 13818. As argamassas colantes para churrasqueira devem ser elsticas, do tipo AC-2 ou AC-3 (para exterior). A churrasqueira deve ser isolada com uma junta elstica de unio/dessolidarizao (poliuretano flexvel sobre tarugo celular, por exemplo) Deste modo, a rea da churrasqueira aquece e esfria tudo que for necessrio, sem afetar o entorno e sem encostar rigidamente contra ele.
<<voltar





Quais os produtos adequados para FRIGORFICOS?
Para cmara frigorfica deve-se utilizar exclusivamente cermica anti-gelvola (resistente ao gelo) com absoro de gua abaixo de 6%, e EPU menor ou igual a 0,6 mm/m (caracterstica encontrada no porcelanato), colada com argamassa polimrica tipo AC-3, especial para porcelanato. Nas reas sujeitas a impactos de grandes massas de carne congelada, instalamos faixas de proteo anti-choque com "corrimos" de madeira e borracha.
A cmara frigorfica deve permanecer 3 semanas com as juntas abertas at deixar sair toda umidade presa. Caso fique gua por trs da cermica prematuramente rejuntada, esta gua lquida vai estourar o sistema ao congelar. A gua aumenta de volume ao congelar e este aumento de volume explosivo, exceto sobre um sistema rigorosamente SECO.
Os rejuntes para cmara frigorfica devem ser impermeveis, e muito fceis de lavar, pois teremos necessidades de higiene na cmara. A higiene e limpabilidade dos rejuntes deve ser testada e comprovada.

<<voltar





Pode se aplicar PISOS EM PAREDES?
Sem dvida! Uma das vantagens do "piso - parede" a continuidade das juntas. Alm de podermos decorar as paredes com listellos, borders, peas especiais maravilhosas.
Se sobrar PEI na parede, nada de grave acontece. Se faltar PEI, Mohs ou Resistncia Ruptura tudo de grave acontece, concluindo no podemos utilizar azulejos de parede no piso.
<<voltar





O tamanho do  CONFERE COM A PEA 10x10? Podem ser colocados juntos?
Podem. As peas examinadas lado a lado mostram continuidade. Deve-se ter o cuidado para que as bitolas sejam as mesmas (compatveis). Utilizar a mesma dimenso das juntas de assentamento, para o  e a pea 10x10 indicamos 3mm.
<<voltar





Onde podemos APLICAR ANTIDERRAPANTES?
Em lugares externos molhados onde as pessoas correm durante a chuva e existe perigo de cair. Tambm nas reas ao redor das piscinas. Evitar o uso em ambientes internos que exigem facilidade de limpeza, nem nos shoppings onde as lojas desejam "brilho permanente". Nos interiores residenciais e comerciais normal utilizar coeficiente de atrito menor de 0,4. Nas reas molhadas e reas de segurana (degraus de escada), se usa coeficiente maior ou igual a 0,4.
<<voltar





Onde podemos APLICAR OS RSTICOS?
Como a maioria dos pisos rsticos so antiderrapantes, aconselha-se o seu uso em reas onde existe esta necessidade, evitando com isso, o uso em reas que precisam de facilidade de limpeza, como em interiores residenciais.
<<voltar





Quais os produtos para INDSTRIAS QUMICAS?
Para indstrias que trabalham com cidos fortes:
Para cidos fortes se usam porcelanatos no esmaltados de cores claras e absoro zero, assentados com argamassa epxi anti-cida e rejunte epxi anti-cido e impermeveis.

Para indstrias que trabalham com cidos fracos:
Se usam pisos de com alta resistncia ataque qumico, assentados com argamassa anti-cida e rejunte anti-cido.

<<voltar





Onde podemos aplicar PRODUTOS BRILHANTES?
Em ambientes residenciais e cozinhas, sem ou com sada direta para a rua halls de entrada, reas comuns de edifcios, escritrios e lojas internas em shoppings, devemos sempre utilizar um tapete (capacho), seguido de uma paginao com produtos acetinados ou natural, alm de juntas de troca.
<<voltar





Pode-se colocar PISOS DE CERMICA SOBRE CHO DE MADEIRA?
De jeito nenhum ! A madeira no uma base estvel! Ela flete. Os movimentos na base quebram as peas cermicas.
<<voltar





Quais as caractersticas mais adequadas para ambiente externos?
Para revestir o cho de ambientes externos, recomendamos pisos com coeficiente de atrito maior ou igual 0,4 ( quando submetido ensaio molhado ), pois estes so considerados antiderrapantes evitando o escorregamento dos transeuntes. Outro fator importante o PEI, que deve ser escolhido conforme o trfego do local. Para pisos e fachadas deve-se verificar a classe de limpabilidade, pois ambientes externos normalmente sujam mais que ambientes internos e escolha produtos com baixa absoro dgua, pois reas externas esto sempre sujeitas s intempries.
<<voltar





O que so PEAS ESPECIAIS?
So peas que complementam as linhas de produtos para piso e parede, dando um toque personalizado aos ambientes e proporcionando melhor acabamento no assentamento do revestimento cermico.

Tozetos ou Barras: So peas complementares decorativas, aplicadas geralmente em pisos.

Trim: Pea utilizada para dar acabamento ao revestimento. Normalmente aplicado em meia parede, podendo fazer assim, a transio do plano no revestido com cermica.

Listelli: utilizado como endereo e aplicado como faixa, podendo ser colocado nas mais diversas alturas da parede. Esta pea especial divide-se em dois tipos; o contnuo e o modular. O contnuo independe do formato do revestimento aplicado. J o modular traz o mesmo tamanho do revestimento.

Rodateto: Faz o acabamento superior do revestimento aplicado em toda a parede, podendo substituir os acabamentos em gesso, etc.

Rodap: Faz a transio do plano revestido com cermica (piso) ao plano no revestido, somente pintado (parede).

Rodacho: Faz a transio com dois planos revestidos com cermica (piso e parede), sendo este, um complemento do revestimento de parede.

<<voltar





PROCESSO PRODUTIVO CERMICO


Como podemos definir a cermica ao longo dos tempos?
Pode-se definir a cermica como sendo a produo de uma pasta cujo ingrediente principal a argila, sucessivamente secada e queimada a alta temperatura que confere ao material, resistncia e dureza.
Por muitos sculos o revestimento cermico foi sinnimo de produto luxuoso, usado no piso e na parede de pessoas ricas. Neste sculo, especialmente aps a Segunda Guerra Mundial, a produo da cermica apresentou um considervel desenvolvimento industrial com o advento das tcnicas de produo. Como passaram a ser produzidos em grande escala, os preos se tornaram acessveis grande parte da populao. Como resultado a cermica passa gradualmente a ser uma opo para todos os ambientes domsticos, como salas de estar, halls de entrada, quartos, bem como em ambientes pblicos e industriais, reas internas e externas.

<<voltar





Como O PROCESSO DE PRODUO DA CERMICA?
Basicamente a cermica produzida de matrias-primas argilosas que so estocadas e previamente analisadas atravs de ensaios laboratoriais para aps a sua liberao, seguir para a moagem. Nesta etapa, o produto passa por moinhos onde giram em torno de 6 8 horas, obtendo-se um produto lquido chamado barbotina.
A barbotina, em seguida estocada em tanques com agitadores e conduzida por meio de bombas at o atomizador. L, a barbotina lanada em forma de spray , que ao se encontrar com o ar quente gerado pelo atomizador, tem em torno de 93,5% de seu contedo lquido evaporado para o exterior. A parte slida resultante dessa evaporao se chama p atomizado (com umidade em torno de 6,5%), que armazenado em silos para homogeneizao.
O p atomizado lanado em cavidades de prensas hidrulicas, submetido alta presso, gerando assim, a bolacha, ou seja, a base da cermica. Nesta fase, a bolacha caracterizada por baixssima resistncia mecnica e presena de umidade, podendo ser quebrada manualmente sem muito esforo. Aps, passa pelo processo de secagem, visando retirar a umidade e aumentar a resistncia mecnica, agregando temperatura pea para posterior trabalho de esmaltao, saindo uma temperatura em torno de 90 120C. Porm, se o processo resultante for biqueima, este ir direto ao forno para a primeira queima, e s depois receber a esmaltao. Caso seja um produto monoporoso ou resultante da monoqueima, passar pelo processo de esmaltao antes de ir ao forno.
A esmaltao consiste em um processo de acabamento superficial, de acordo com as definies de cada produto. Neste processo, primeiramente, depositado uma camada de esmalte para vitrificao, passa pela decorao e em seguida estocado em pulmes. Aps o produto vai para o processo de queima, passando por fornos alta temperatura.

<<voltar





Como o processo de MONOQUEIMA?
Monoqueima consiste na queima do biscoito e do esmalte simultaneamente, com temperaturas maiores que 1000C. Assim obtm-se maior ligao entre o esmalte e a base, resultando em uma melhor resistncia abraso superficial, resistncia mecnica e qumica e baixa absoro dgua. Este processo, produz peas de elevado contedo esttico, e indicados para serem usados em pisos externos e internos, locais de trfego intenso, hospitais, piscinas, fachadas e outros.
<<voltar





Como o processo de BIQUEIMA?
Biqueima este processo obtido atravs de duas queimas sucessivas, atendendo somente peas cermicas esmaltadas. A primeira queima em carros estante, visa atender somente a base, e a segunda, a superfcie esmaltada. Aps a primeira queima, o produto encaminhado esmaltao e decorado conforme o design de cada produto. Em seguida, passa pela segunda queima que executada em fornos rolo. O produto obtido deste processo so os azulejos prprios para paredes internas, por possurem maior absoro dgua, maior que 10%.
<<voltar





Como o processo de MONOPOROSA?
Monoporosa processo similar monoqueima, tanto a massa quanto o esmalte so queimados uma nica vez, portanto, tem sua formulao de massa e esmaltes (matria-prima) diferentes, aumentando a qualidade dos produtos em relao biqueima. O resultado deste processo so azulejos com alta absoro dgua, maior que 10%, indicados para uso em paredes internas.
<<voltar





O produto pode voltar ao forno para APLICAR MAIS UMA DECORAO?
Pode. Os azulejos com absoro de gua maior que 10% podem receber uma decorao a 650C - 750C. a assim chamada, "3 queima". Chama-se assim por que vinha depois da 2 queima. Hoje acontece depois da primeira queima para as monoporosas, e tambm depois da segunda queima no caso de biqueima. Nada melhor que comprar essa decorao do prprio fabricante, que tem uma equipe designers profissionais. Listellos e peas especiais so feitos nesse processo de decorao.
No recomendvel requeimar o porcelanato: a massa de absoro zero exige muita percia para requeimar.

<<voltar





Os RODAPS so prensados ou cortados?
De maneira predominante so prensados, mas em algumas linhas os rodaps so cortados e chanfrados.
<<voltar





Quais so as normas que regulamentam o revestimento cermico?
Em conformidade com os padres estabelecidos pelas Normas Tcnicas da Associao Brasileira de Normas Tcnicas (ABNT) e pela International Standards Organization (ISO) referentes a revestimento cermico.
Tendo garantias de uso em reas internas e externas, em revestimento de paredes e pisos conforme a finalidade do produto.
As Normas Tcnicas para Revestimento Cermico da ABNT foram baseadas na ISO 13.006:1995 e na ISO 10.545:1995 Parte 1 a 17.

As Normas Tcnicas da ABNT esto assim determinadas:

NBR 13.816 Placas cermicas para revestimento Terminologia

NBR 13.817 Placas cermicas para revestimento - Classificao

NBR 13.818 Placas cermicas para revestimento Especificao e mtodo e ensaio.
Anexo A: Anlise visual do aspecto superfcie.
Anexo B: Determinao da absoro de gua.
Anexo C: Determinao da carga de ruptura e mdulo de resistncia flexo.
Anexo D: Determinao da resistncia abraso superficial.
Anexo E: Determinao da resistncia abraso profunda.
Anexo F: Determinao da resistncia ao gretamento.
Anexo G: Determinao da resistncia ao manchamento.
Anexo H: Determinao da resistncia ao ataque qumico.
Anexo J: Determinao da expanso por umidade.
Anexo K: Determinao do coeficiente de dilatao trmica.
Anexo L: Determinao da resistncia ao choque trmico.
Anexo M: Determinao da resistncia ao congelamento
Anexo N: Determinao do coeficiente de atrito.
Anexo P: Determinao de chumbo e cdmio.
Anexo Q: Determinao da resistncia ao impacto
Anexo S: Determinao das dimenses, da retitude dos lados, da ortogonalidade dos lados, da curvatura central, da curvatura lateral e do empeno.
Anexo T: Grupos de absoro dgua.
Anexo U: Procedimento de amostragem e critrios de aceitao e rejeio.
Anexo V: Determinao da dureza segundo a escala Mohs.
Anexo X: Exemplos de clculos de desvios dimensionais.
Anexo Z: Glossrios e smbolos.

Dentro do aspecto Normas Tcnicas, tambm destacamos as Normas Tcnicas da ABNT, referente a assentamento de revestimento cermico que so:

NBR 13753 Revestimento de piso interno ou externo com placa cermica e com utilizao de argamassa colante Procedimento.

NBR 13754 Revestimento de paredes internas com placas cermicas e com utilizao de argamassa colante Procedimento.

NBR 13755 Revestimento de paredes externas e fachadas com placas cermicas e com utilizao de argamassa colante Procedimento.

<<voltar





MANUTENO E LIMPEZA DAS PLACAS CERMICAS



Como trocar PEAS ISOLADAS?
Os revestimentos cermicos sofrem algumas aes no dia dia que podem danific-los. Eles podem quebrar, descolar, serrem retirados para consertos hidrulicos, etc.
Entretanto, podem ser facilmente substitudos, aumentando sua vida til.

Basta, para isso, seguir os seguintes passos:

1- Retirar o rejunte em volta da pea danificada com um disco Makita;
2- Cortar o esmalte em forma de "X" com um lpis riscador;
3- Bater no centro do "X" com um puno e martelo;
4- Retirar os cacos, sujeiras e pedaos soltos de argamassas de assentamento;
5- Aplicar cola branca de ltex (ou cimento colante) no verso da pea e col-la, deixando as juntas de assentamento.
6- Aguardar algumas horas e rejuntar normalmente.

OBS.: O rejunte removvel permite a troca de uma pea s, sem quebrar o piso inteiro da sua residncia. Este adequado para futuras e possveis trocas, um rejunte aditivado com polmeros que lhe conferem a necessria deformabilidade e removibilidade.

A  indica que se faa uma junta de troca em rea delimitada de acesso em locais com grande circulao. Esta seria uma junta mais larga que as normais, facilitando assim uma futura troca deste pavimento, pois o desgaste ser maior nestas reas.

<<voltar





Para remoo de manchas ou sujeira, usar qual AGENTE DE LIMPEZA?
Cada agente que suja tem um agente que limpa.
Manchas de sujeira comum se remove com detergente comum, escovao laboriosa, e "de joelhos"
Manchas de pintura se remove com removedor, gua sanitria e/ou saponceo
Manchas de ferrugem se remove com gua sanitria e/ou saponceo
Manchas de gordura se remove com solvente, desengordurante, thinner e/ou gua quente
Mancha de borracha de pneus se remove com aguarrs ou saponceo.
Manchas de tinta de caneta se remove com acetona.
Esmalte sinttico, tinta plstica e tinta acrlica se remove esfregando um pano umedecido com lcool ou solvente.
Tinta leo se remove amolecendo a tinta com removedor e depois esfregar um pano com removedor.
Cola de Cartazes se remove amolecendo a cola com solvente e esfregar um pano seco.
Existem empresas especializadas na limpeza profunda. Porm, a Ribeiro Representaes no se responsabiliza por tcnicas utilizadas por empresas de limpeza.

<<voltar





O que devo fazer para PREVENIR MANCHAS?
As manchas sempre do trabalho demais para remover, qualquer que seja o material. Prevenir melhor que limpar. Vamos explicar como.
Toda superfcie de qualquer material que seja, precisa de uma cuidadosa limpeza final de obra, seguida imediatamente de uma impregnao incolor (cera Johnson, por exemplo). Isto vale especialmente para os produtos no esmaltados, mesmo que polidos, por que neste caso no tem a cobertura do esmalte. A aplicao feita apenas uma nica vez. Antes de fechar o ambiente para a inaugurao ou para a entrega da obra ao proprietrio.

Digamos que a 1 vez "sujamos" o piso preventivamente com um produto incolor. Isto preenche a leve porosidade interna com material incolor, em vez de preencher com sujeira. A porosidade interna fica preenchida com incolor, e a partir da, o sujamento que teria sido interno se transforma em camada externa. Ora, qualquer sujamento que acontea por fora fcil de limpar.

<<voltar





Como limpar os ANTIDERRAPANTES sujos de rejunte?
Prepare-se para no sujar! As superfcies anti-derrapantes, sejam de pedra natural ou de cermica, obviamente esto sujeitas a um sujamento maior. Devem ser preventivamente impregnadas com cera incolor, antes de aplicar o rejunte, pois quem penetrar nos poros da pea ser a cera e no a sujeira, tornando-a assim, uma pea de fcil limpeza .
<<voltar





Como aumentar a vida til do revestimento cermico?
So poucas as orientaes que devemos seguir para termos um revestimento durvel e belo.
O Produto Certo no Lugar Certo
Para cada tipo de uso e ambiente, existe um revestimento cermico mais indicado.
Deve-se prever a que tipos de exigncias o mesmo estar sujeito, e escolher o revestimento com as melhores caractersticas para suport-las.
Um produto mal especificado a certeza de revestimentos danificados em pouco tempo.

Quem especifica ?
Quando o consumidor ou o assentador assumem a funo de especificadores, tornam-se responsveis pela escolha errada e suas conseqncias.
Devemos recomendar que peam ajuda a engenheiros, arquitetos, tcnicos em edificaes, demonstradores de revestimentos cermicos ou nossos agentes de vendas.
Em condies especiais de uso como exemplo frigorficos, ambientes industriais, indstrias alimentcias entre outros, disponibilizamos o SAC - Servio de Atendimento ao Cliente Ribeiro Representaes. Pelo SACC, o cliente poder falar diretamente com os nossos tcnicos, e tirar todas as dvidas em relao aos nossos produtos.

A Qualidade da Mo-de-Obra
Para se verificar se o assentador que foi contratado um bom profissional, o ideal conhecer algumas obras que ele tenha feito anteriormente.
Na obra, verificar se o assentador:
Utiliza juntas adequadas;
Assenta com um bom alinhamento e planaridade;
D bom acabamento em recortes;
Tem um bom servio de rejuntamento;
Faz uma boa limpeza posterior, sem utilizar cidos.
Verificar tambm, se o assentador possui, alm das ferramentas tradicionais e de qualidade (como colher de pedreiro e nvel ), ferramentas prprias para assentamento, tais como:
Desempenadeiras de 6 mm e de 8 mm, com um lado liso e outro dentado;
Mquina manual para cortar revestimentos;
Esptula de borracha;
Martelo de borracha.
Mantenha a obra sempre limpa, livre de materiais abrasivos e proteja o revestimento para concluir as demais etapas da obra.

Assentamento Correto
Os produtos devem ser assentados corretamente. O assentamento mal feito uma das grandes causas de aparecimento de defeitos com o tempo de uso.
Saiba mais sobre como ter um assentamento de qualidade nas perguntas 27, 28, 32,33,34,37 e 53., ou consulte as normas NBR 13753 Revestimento de piso interno ou externo com placas cermicas e com utilizao de argamassa colante Procedimento; NBR 13754 Revestimento de paredes interno com placas cermicas e com utilizao de argamassa colante Procedimento e NBR 13755 Revestimento de paredes externas e fachadas com placas cermicas e com a utilizao de argamassa colante, todas encontradas no site www.abnt.org.br

Manuteno e Limpeza
Os revestimentos cermicos se caracterizam por apresentarem as menores exigncias em termos de manuteno e facilidade de limpeza.
No entanto, deve-se tomar alguns cuidados:
Proteger os ps dos mveis que podem ser arrastados, com carpete ou feltro, para no riscarem os revestimentos.
Utilizar grades e capachos nas portas de acesso para a rua para a limpeza nas solas dos calados.
Evitar a queda de objetos pesados ou pontiagudos, que podem quebrar o esmalte dos revestimentos.
Para a limpeza diria, recomendamos gua e detergente neutro. Uso de saponceo para sujeiras de difcil remoo e deve-se sempre secar o revestimento aps a limpeza.
Limpar tambm as reas externas, pavimentadas ou no, prximas aos locais onde os pisos esto assentados.

<<voltar





Como se aplica a garantia contra defeitos DIMENSIONAIS?
O processo no qual produzido um revestimento cermico (principalmente na monoqueima), fatalmente gerar peas com diferenas dimensionais. A variao de tamanho se deve a pequena variao de temperatura do forno e pequenas variaes da granulometria do material.
As Normas NBR 13818:1997 baseada na ISO 13006:1995 e ISO 10545:1995 reconhece est variao e a permite. Os limites de variaes nos tamanhos das peas so definidos e agrupados em bitolas. Variaes fora destes limites devem ser consideradas defeitos.
Estes Limites so garantidos pelo processo de escolha utilizado pela
Os revestimentos tm garantia dimensional dentro dos limites fixados pelas Normas Tcnicas Cermicas.




Como se aplica a garantia contra defeitos SUPERFICIAIS?
Se o defeito s pode ser visto em condies especiais de iluminao ou aproximando dos olhos, ele no considerado defeito.
Para pisos, isto significa dizer que os defeitos devem ser visveis a distncia igual a altura de uma pessoa. Para revestimentos de parede, a uma distncia de aproximadamente 1 metro.
Outros defeitos devem ser considerados separadamente, levando em conta o tempo e condies de uso.
Os efeitos intencionais, existentes na superfcie da placa no devem ser considerados como defeitos, por exemplo: efeitos rsticos, pintas e craquels propositais, movimentos de cor, desde que especfico das placas.

<<voltar





Como se aplica a garantia contra RISCOS?
Produtos cermicos especialmente os de superfcie brilhantes, esto sujeitos riscos.
Por isso, para evitar problemas futuros, o uso dos mesmos deve ser evitado em locais com muito trnsito de pessoas e com a presena de sujeiras abrasivas (principalmente areia). Nestes locais, recomendamos o uso de grades e capachos para a limpeza das solas dos calados e limpeza constante dos revestimentos.
Em locais onde mveis so arrastados, deve-se colar sob os ps dos mesmos, pedaos de carpete ou feltro. J existem no mercado produtos para este fim. Lembrando tambm que recursos de proteo ao revestimento devem ser utilizados durante a obra, protegendo com papelo, estopas, gesso e no deixando o revestimento sujo durante e aps o assentamento.

<<voltar





O PEI garante a resistncia ao riscado?
NO! O PEI, nos informa a resistncia abraso, mas no garante que a placa cermica no riscar em contato com materiais de alta dureza Mohs. To importante quanto o PEI, a dureza MOHS. Sua importncia passa ao 1 lugar (mais importante que o PEI) nos seguintes locais: entradas, acessos, trreos dos prdios, halls de elevadores, corredores pblicos, garagens em ruas no caladas, reas praianas sujeitas ao trfego permanente com areia abrasiva.
A dureza MOHS vai de zero a 10. A areia tem dureza 7, mais dura que o ao (podemos esmerilhar ao com areia) O que mais duro que areia considerado gema, pedra preciosa (esmeralda, safira, diamante). A areia o material natural mais duro de presena abundante.
Os pisos j assentados no podem ser castigados pelo trfego intenso de obra. A norma diz que devem ser protegidos com papelo e gesso contra o trfego abrasivo de obra ("chiados de areia"). O pior inimigo do riscado a prpria obra!

<<voltar





Anti-derrapantes protegem CONTRA RISCOS?
Os anti-derrapantes costumam ser os mesmos que usamos como barreiras de proteo, de alta dureza Mohs, para limpar os sapatos e para proteger as entradas contra carga abrasiva (areia). Prefira os produtos com maior dureza Mohs nos acessos externos e reas de maior circulao; e os produtos com brilho, protegido por granilhas no lado interno das entradas.
<<voltar





Existe algum produto para deixar meu piso anti derrapante?
No. Os produtos que existem no mercado atacam quimicamente a superfcie do revestimento cermico fazendo com que este perca as suas caractersticas iniciais e consequentemente a sua garantia.
<<voltar





Existe algum produto que deixa o piso mais brilhante?
Existem produtos que deixam o piso polido mais brilhante, porem podem afetar o coeficiente de atrito do mesmo deixando-o escorregadio
<<voltar





Pode pintar sobre o revestimento?
No recomendamos esta tcnica, pois ainda no existe no mercado tintas especiais para superfcies cermicas.
<<voltar





Existe um impermeabilizante para o porcelanato?
A  indica o impermeabilizante Manchester somente para o porcelanato natural, polido e acetinado, sendo que este deve ser reaplicado anualmente.
<<voltar





Qual o procedimento correto para amazenar e manusear as peas cermicas em caixas no paletizadas?
As caixas devem ser colocadas em local adequado.

O piso (cho):
no poder ter umidade;
ter que ter a estrutura adequada para sustentar o peso armazenado;
ser nivelado;
protegido (do sol, chuva, etc.).
As caixas tero que ter amarrao entre elas (Ex.: xadrez).

Nunca comear pela menor, caso misture os formatos (tamanho).

Colocar em local de fcil visualizao e manuseio.

Quanto a quantidade armazenada sobreposta, depende em muito do formato a ser armazenado. Ex.: 40x40 podemos colocar at com 2,40 m de altura na vertical. (No colocar as caixas deitadas). Quanto que formatos menores no podemos ter esta altura.
Nunca colocar as caixas sobrepostas na horizontal. As caixas devero ter o menor apoio possvel, uma sobre a outra em relao a pea. Ex.: 40x40 no posicionar a caixa conforme se posiciona a pea para assentamento.
Ter o cuidado na hora de colocar as caixas no piso (cho) ou paletes, para no danificar o produto (no podem ser jogados). Piso e revestimento so cermicas.
<<voltar


Em Capivari:
Praa 13 de Maio, 590 - Centro
Capivari - SP - CEP 13.360-000
TELEFONE (19) 3491-1549
Em Capivari:
Av. Pio XII , 1.013 -
Capivari - SP - CEP 13.360-000
Fone (19) 3492-1665
Desenvolvido por:
ScuziNet
E-mail: dalfabbro@dalfabbro.com.br
Copyright 2005 - Dal Fabbro